Arginina: o que é, para que serve, benefícios e como tomar

A arginina é um suplemento que não é tão popular como whey, creatina, caseína ou cafeína, mas que é facilmente encontrada na lista de suplementos usados por frequentadores de academia. Existem algumas razões para ela ser usada por essas pessoas: lea é ótima na recuperação após cada treino.

Neste artigo, você saberá o que é e para que ela serve, como tomar, os benefícios que ela proporciona à nossa saúde, efeitos colaterais e muito mais!

O que é

Também conhecida como L-arginina, ela é um aminoácido básico para todo o organismo. Sua principal função dentro do corpo é conseguir sintetizar todos os processos, atendendo a cada necessidade mínima que o organismo venha a ter.

A utilização de arginina não anula o consumo de proteína, ela deve continuar sendo consumida de forma balanceada. Isso porque, será na junção da proteína com a arginina que os aminoácidos se formarão.

É essa estrutura que consegue ser absorvida e sintetizada pelo nosso corpo, com isso, ela é quem nutrirá as atividades vitais.

É importante salientar que, mesmo com a ingestão de arginina, muitas pessoas ainda ficam com taxas abaixo do ideal e, com isso, é preciso complementar com alimentos ricos da substância.

Para que serve Arginina

A arginina, dentro do organismo, tem como sua função principal o transporte de nitrogênio. Sua importância se dá, basicamente, ao fortalecimento do sistema imunológico e da cicatrização de qualquer tipo de machucado.

Quando você utiliza uma suplementação com arginina, estará estimulando o seu organismo a produzir linfócitos, que têm papel fundamental na defesa do corpo.

Então, podemos afirmar que quando você tomar arginina, você estará:

  • Estimulando a produção do hormônio do crescimento
  • Aumentando a defesa do organismo
  • Acelerando o processo de cicatrização
  • Inibindo a perda de massa magra
  • Combatendo doenças do fígado
  • Ajudando a produzir espermatozoides
  • Deixando os tecidos do organismo mais fortes
  • Ajudando na produção de novas células dos tendões e dos ossos

Muitas pesquisas ainda apontam que ela pode ajuda a combater sintomas da ansiedade.

Benefícios

Não há duvidas de que ao destacar a principal função da arginina, citemos o transporte de nitrogênio. Muitos processos de nosso organismo necessitam eliminar essa substância, e é nesse momento que ela desempenha papel principal.

Além da cicatrização acelerada, a arginina apresenta mais benefícios em seu uso, como:

  • Colabora no ganho de massa muscular;
  •  Aumenta a defesa do organismo;
  • Aumenta a produção de hormônio;
  • Fortalece e protege todos os tendões do corpo;
  • Ajuda a combater a sensação de cansaço muscular;
  • Aumenta o fluxo de sangue em todos os músculos;
  • Elimina qualquer tipo de toxina do organismo;
  • Combate problemas de disfunção erétil;
  • Fortalece os tecidos;
  • Incentiva a produção de queratina, o que deixa unhas e cabelos muito mais fortes;
  • Fortalece o sistema imunológico.

Esses são os principais benefícios, no entanto, é importante contar sempre com a ajuda de um especialista quando se trata do uso da Arginina.

Isso porque, em alguns casos, pode haver o aparecimento de efeitos colaterais.

Alimentos ricos

A suplementação sempre é necessária. Na maioria das vezes você pode obter toda a arginina que você precisa através da alimentação.

Para você que não pensa em usar o suplemento, fizemos abaixo uma lista com alimentos ricos em arginina:

  • Ovos
  • Frutos do mar
  • Filé de frango
  • Soja
  • Feijão
  • Nozes
  • Castanha de caju
  • Avelãs
  • Amendoim
  • Leite
  • Pistache
  • Kiwi
  • Melancia
  • Morango

Esses são os alimentos que apresentam doses altas desse importante aminoácido. É importante lembrar que eles devem consumidos naturalmente, crus. A arginina pode ser destruída durante o processo de industrialização de alimentos (ferver, fritar, etc).

Como tomar

Se você deseja começar a tomar arginina, a grande maioria dos especialistas indicam o seu consumo em duas doses por dia:

  1. Logo pela manhã
  2. Sempre após o treino

A dosagem varia de pessoa para pessoa, mas geral a dose será de 30 gramas a 50 gramas diárias. Se você consultar um especialista ele irá indicar a melhor dose para você com base no seu biótipo, gasto calórico, sua alimentação e, condicionamento físico.

Quem já tem algum problema renal, não deve fazer uso por um longo período de tempo, principalmente altas dosagens. A arginina sobrecarrega os rins e pode causar problemas renais.

Por isso que é importante consultar um médico antes de usar esse ou qualquer outro tipo de suplemento. Você pode ter algum problema médico que pode ser piorado com a suplementação.


Ficou alguma dúvida? Já usou esse aminoácido e quer contribuir com sua opinião sobre a eficácia deste tipo de suplemento?

Aproveite esse espaço e faça a sua pergunta ou comentário, teremos o maior prazer em sanar suas dúvidas.

Até a próxima!

HMB: o que é, para que serve e os benefícios desse suplemento

O HMB é um suplemento pouco conhecido do público geral, mas que é traz diversos benefícios para quem treina pesado.

Neste artigo, iremos compilar as principais informações sobre esse suplemento e como ele pode te ajudar a ganhar mais massa, força

O que é

O beta-hidroxi-beta-metilbutirato é um metabólito do BCAA leucina. Cerca de 5% da leucina do corpo é convertida em HMB, que é então convertida no fígado para um precursor (conhecido como beta-hidroxi-beta-metilglutaril coenzima A) necessário para a biossíntese do colesterol.

Esse suplemento pode ser encontrado no mercado em 2 versões diferentes:

  • HMB-Ca: é composto de 13% de cálcio.
  • HMB-FA: não possui cálcio em sua composição.

O FA parece ter um efeito mais rápido e maior que o Ca, porém são necessários mais estudos comparando os dois para sabermos de fato qual é o melhor.

Quem toma ou pretende tomar o Ca deve ficar atento para não sobrecarregar o organismo de cálcio. Embora ele seja importantíssimo para a nossa saúde, excesso de cálcio pode causar problemas.

Para que serve HMB

Em nosso corpo, o HMB serve para reparar os tecidos musculares danificados devido ao uso intenso dos músculos. As células do tecido múscular esquelético precisam do HMB para reparar os danos causados pelo exercício físico.

As células do tecido múscular esquelético que ficam estressadas e danificadas pelo exercício físico requerem uma fonte exterior de coenzima para a síntese do colesterol em suas membranas celulares para restaurar a estrutura e a função.

Especialistas também acreditam que a conversão de leucina em HMB ativa a síntese de proteína muscular e reduz a quebra de proteína. Isto é interessante para quem busca hipertrofia, pois pode servir para potencializar ganhos de massa muscular.

Benefícios

O HMB pode ajudar os praticantes de atividades físicas ao prover os seguintes benefícios à nossa saúde:

  • Repara os tecidos musculares: ao realizar treinos intensos, seus músculos sofrem microfissuras devido ao estresse causado pelo exercício. O HMB atua auxiliando na reparação do tecido muscular.
  • Pode aumentar queima de gorduras: a combinação de ingestão de HMB + treino físico intenso pode levar a uma grande queima de gorduras.
  • Melhora o desempenho atlético: a ingestão deste suplemento pode aumentar a força física, a potência muscular, a hipertrofia do músculo esquelético e o desempenho aeróbico em pessoas treinadas e não treinadas
  • Aumento de massa magra em idosos: a suplementação com HMB demonstrou aumentar a massa muscular magra em pessoas da terceira idade.

FonteISSN

Porém, é importante salientar que o HMB foi muito estudado sendo usado junto com outros tipos de suplementos como a creatina. A duração dos estudos também foi muito variada, alguns durando alguns dias, enquanto outros duraram semanas.

Desse modo, é difícil saber com precisão quais os benefícios que você pode obter se você tomar apenas beta-hidroxi-beta-metilbutirato. O que se sabe com certeza é que o HMB é muito mais útil para quem realiza exercícios intensos do que para pessoas comuns. Frequentadores casuais de academia ou futebolistas de fim de semana não vão tirar tanto proveito do uso desse tipo de suplemento.

pessoas treinando pesado dentro de um edifício após tomarem HMB
O suplemento HMB. ajuda quem treina pesado a rende mais

Como tomar

A ISSN (Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva) recomenda que adultos saudáveis interessados em usar suplementos de HMB tomem as seguintes doses:

  • de 1 a 2 g de HMB-Ca entre 60 a 120 minutos antes do exercício ou;
  • de 1 a 2 g de HMB-FA de 30 a 60 minutos antes do exercício.

Para quem busca o máximo de retorno, A ISSN recomenda tomar 38 mg de HMB para cada quilo de peso corporal antes do treinamento. Assim, se você tem 80 quilos, você precisará tomar 3040 mg (3,04 gramas) antes do exercício para obter os maiores benefícios. Esse é o valor que tem demonstrado aumentar a hipertrofia, força e potência do músculo esquelético.

A ISSN também sugere que você deve consumir 3 gramas de HMB por dia (em três porções iguais de 1g) por pelo menos 2 semanas antes do exercício de alta intensidade para otimizar os efeitos no músculo.

Efeitos colaterais e contraindicações

Com base nos estudos já realizados, ainda não se chegou a um consenso se o consumo de HMB pode causar algum efeito adverso. De modo geral, consumir entre 3 a 6 gramas é considerado seguro tanto para pessoas jovens quanto para pessoas idosas.

Quanto custa

Os preços do HMB variam consideralvemente. Os valores podem variar entre os 40 reais do HMB Leucin da American Pharm a até os quase 300 reais cobrados pelo Amino Recover H.M.B. da Arnold Nutrition. Os fatores que podem influenciar os preços são:

  • a marca do suplemento: marcas mais famosas costumam custar mais caro, mesmo não sendo melhor as outras.
  • a quantidade de cápsulas ou gramas em cada pote/caixa: um pote ou caixa com mais cápsulas ou peso geralmente custam mais.
  • se é importado ou nacional: suplementos de marcas nacionais costumam ser mais baratos que suplementos importados.
  • presença de outros nutrientes na composição: algumas marcas oferem versões carregadas de outros nutrientes como minerais, vitaminas e aminoácidos. Essa adição pode fazer o produto ficar mais caro.

Qual comprar e qual preço pagar vai depender muito de você. Ao escolher qual comprar, verifique o que há na composição e se vale a pena comprar a versão que você esta analisando. Verifique também se você está comprando o beta-hidroxi-beta-metilbutirato Ca ou o beta-hidroxi-beta-metilbutirato FA. Eles agem em tempos diferentes, e, dependendo de como e quando você treina, um pode ser mais interessante que o outro.

Finalizando

Como vimos, o suplemento HMB pode ser muito útil para quem treina treino. Suplementar parece ser seguro e até o momento não foram encontrados efeitos colaterais graves ao usar o suplemento. Com base nessa informação, não há contraindições de uso. Qualquer pessoa adulta com a saúde em dia pode fazer uso da suplementação.

Você já usou esse suplemento? Tem algo a acrescentar às informações colocadas neste artigo? Comente abaixo e nos deixe saber o que você pensa.


Assiste nosso vídeo sobre esse suplemento no YouTube:

Vitamina C: o que é, para que serve e os benefícios à saúde

A vitamina C é um nutriente essencial para a saúde humana e pode ser encontrado principalmente em frutas cítricas como laranja e limão. Ela é importante por vários motivos e a falta dela pode causar uma problema chamado de escorbuto.

Neste artigo, iremos compilar informações importantes sobre a vitamina C que você precisa saber:

O que é citamina C? Para que ela serve? Quais os benefícios que ela traz à nossa saúde? Qual a quantidade que o nosso corpo precisa? Quais as principais fontes de ácido ascórbico?

Leia até o final e se ficar com dúvida, comente!

O que é

A vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é um nutriente solúvel em água encontrada naturalmente alimentos e em suplementos dietéticos. Os seres humanos, ao contrário da maioria dos animais, não são capazes de produzir internamente a vitamina C que eles precisam. Por isso, ela tem que ser obtida através da alimentação ou via suplementação.

Vitamina C ácido ascórbico
Ácido ascórbico é um dos outros nomes pela qual a vitamina C é chamada

Para que serve vitamina C

No corpo, a vitamina C age como um antioxidante, ajudando a proteger as células dos danos causados pelos radicais livres.

Os radicais livres são compostos formados quando nossos corpos convertem a comida que ingerimos em energia. As pessoas também estão expostas aos radicais livres no dia-a-dia, como a fumaça do cigarro, poluição do ar e a luz ultravioleta do sol.

O corpo também precisa de vitamina C para produzir colágeno, uma proteína necessária para ajudar a curar e cicatrizar feridas. Ela também melhora a absorção de ferro a partir de alimentos de origem vegetal e ajuda o sistema imunológico a funcionar adequadamente para proteger o corpo contra doenças.

Benefícios

A vitamina C vem sendo estudada exaustivamente para entendermos melhor como ela afeta a nossa saúde. Abaixo, iremos listar alguns benefícios que ela pode trazer à saúde humana:

  • Prevenção e tratamento do câncer

Pessoas com alto consumo de vitamina C de frutas e vegetais podem ter um risco menor de contrair muitos tipos de câncer, como câncer de pulmão, mama e cólon. No entanto, tomar suplementos dessa vitamina, com ou sem outros antioxidantes, não protege as pessoas de contrair câncer.

Suplementos dietéticos de vitamina C e outros antioxidantes podem interagir com quimioterapia e radioterapia usadas no tratamento de câncer. Pessoas em tratando o câncer devem conversar com seu oncologista antes de tomar essa vitamina, especialmente em altas doses.

  • Doença cardiovascular

Pessoas que consomem muitas frutas e legumes parecem ter um menor risco de desenvolver problemas cardiovasculares. Os pesquisadores acreditam que o conteúdo antioxidante desses alimentos pode ser parcialmente responsável por essa associação. O dano oxidativo é uma das principais causas de doenças cardiovasculares.

No entanto, não esta claro que é a própria vitamina C que auxilia na proteção contra doenças cardiovasculares. Também não se sabe ela ajuda a controlar doenças cardiovasculares em pessoas que já possuem esse problema.

  • Degeneração macular relacionada à idade e catarata
foto com varias pessoas idosas
A vitamina C pode ser um importante aliado para manter a saúde dos olhos durante a terceira idade

A principal causa de perda de visão em idosos é a degeneração macular e a catarata. Os pesquisadores não acreditam que a vitamina C e outros antioxidantes afetem o risco de contrair degeneração macular. No entanto, quando combinada com outros nutrientes, a vitamina C pode ajudar a retardar a progressão da degeneração macular.

Um estudo foi feito com pessoas idosas que apresentavam degeneração macular e que podiam piorar. Essas pessoas tomaram por 6 anos as seguintes doses diárias de suplementos:

O risco de densenvolver degeneração macular avançada nestas pessoas foi menor. Além disso, os riscos de perder a visão também diminuíram.

Já a relação entre a vitamina C e a formação de catarata não é muito evidente. Alguns estudos mostram que as pessoas que obtêm mais vitamina C dos alimentos têm menor risco de contrair catarata. Porém, mais pesquisas são necessárias para esclarecer isso melhor.

  • Resfriados

A vitamina C é um remédio comum usado para combater resfriados. Porém, para a maioria das pessoas, ela não reduz o risco delas contraírem resfriados. No entanto, quem toma suplementos de vitamina C regularmente podem ter resfriados mais curtos ou apresentarem sintomas mais leves.

Ou seja, embora ela não previna resfriados, ela pode pelo menos ter algum efeito benéfico contra eles.

Alimentos ricos em vitamina C

KIWI Vitamina C
O Kiwi é uma fruta riquíssima em vitamina C

A vitamina C pode ser encontrada principalmente em frutas cítricas, mas alguns vegetais também são boas fontes.

Abaixo, uma lista com alimentos que são ricos em vitamina C:

100 gramas de Kiwi contêm 92,7 mg
100 gramas de Brócolis contêm 89,2 mg
100 gramas de Morango contêm 58,8
100 gramas de Laranja contêm 53,7 mg
100 gramas de Couve-flor contêm 48,2 mg
100 gramas de Ervilha contêm 40 mg
100 gramas de Repolho contêm 36,6 mg
100 gramas de Espinafre contêm 28,1 mg
100 gramas de Batata contêm 19,7 mg

 

Como você deve ter notado, colocamos nesta lista apenas frutas e vegetais comuns e fáceis de encontrar no Brasil. Além desses listados, existem outros alimentos que também contém essa vitamina. De modo geral, se o alimento é uma fruta, é provável ele vai ter boas quantidades desse nutriente. Talvez não tanto quanto o Kiwi e o brócolis, mas vai ter.

Deficiência de Vitamina C

Se você tomar pouca (menos de 10 mg diárias) ou nenhuma vitamina C por um mês, você corre o risco de desenvolver escorbuto. O escorbuto é uma doença que tem como principal sintoma o aparecimento de inflamação nas gengivas. Se não for tratada, pode levar a queda dos dentes, anemia, dor nas articulações e eventualmente, a morte.

O escorbuto era uma doença comum entre os marinheiros que passavam muitas semanas no mar sem acesso a frutas. Hoje, o escorbuto é uma doença muito rara, aparecendo principalmente em áreas como campos de refugiados, zonas de guerras e regiões muito pobres sem acesso à frutas.

Porém, apesar da deficiência de vitamina C ser rara nos dias atuais, alguns grupos de pessoas são mais suscetíveis a sofrer com isso e portanto, podem desenvolver escorbuto. Essas pessoas em risco são:

Fumantes: fumar diminui os níveis de vitamina C no organismo. Inalar a fumaça de cigarros também pode causar o mesmo problema. Pessoas que fumam ou que inalam fumaça expelida por fumantes devem consumir mais vitamina C que não-fumantes para evitar deficiência.

Bebês alimentados com leite fervido: o leite de vaca não tem muita vitamina C em sua composição. Ferver o leite antes de alimentar o bebê pode destruir boa parte desse nutriente encontrado no leite. Assim, essa criança pode desenvolver uma deficiência.

Pessoas com dietas pobres em frutas e vegetais: pessoas que não seguem uma dieta saudável com consumo diário de vegetais e frutas podem desenvolver escorbuto. Idosos, mendigos, alcoólatras, viciados em drogas, pessoas que seguem a nova dieta milagrosa da moda, e algumas crianças, estão nesta categoria de risco.

Pessoas que sofrem com má absorção de vitamina C e certas doenças crônicas: algumas condições médicas podem reduzir a absorção de vitamina C e aumentar a quantidade que o corpo necessita para funcionar direito. Pessoas com má absorção intestinal severa ou caquexia e alguns pacientes com câncer podem estar em risco de sofrer com deficiência desta vitamina. Pacientes com doença renal terminal em hemodiálise crônica também estão propensos a sofrer com esse problema.

Dosagem

Já vimos que o corpo precisa de, no mínimo, 10 mg diárias de vitamina C para evitar deficiência. Mas qual a quantidade devemos consumir todos os dias? E qual o limite máximo seguro que podemos tomar? É o que iremos indicar a seguir.

Doses recomendadas

As doses diárias recomendadas de vitamina C são as seguintes:

Crianças com até 6 meses de idade 40 mg por dia
Crianças entre 7 e 12 meses de idade 50 mg por dia
Crianças com idade entre 1 e 3 anos 15 mg por dia
Crianças com idade entre 4 e 8 anos 25 mg por dia
Crianças com idade entre 9 e 13 anos 45 mg por dia
Adolescentes do sexo feminino com idade entre 14 e 18 anos 65 mg por dia
Adolescentes do sexo masculino com idade entre 14 e 18 anos 75 mg por dia
Mulheres com mais de 19 anos de idade 75 mg por dia
Homens com mais de 19 anos de idade 90 mg por dia
Fumantes e pessoas que convivem diariamente com fumaça de cigarros devem acrescentar 35 mg por dia a mais por dia.
Foto de uma mulher grávida de vestido vermelho com as mãos sob a barriga
Devido às exigências da gravidez e da amamentação, grávidas precisam de mais vitamina C que outras mulheres

Mulheres grávidas e amamentando tem que consumir mais vitamina C que outras mulheres. Isso ocorre porque as mulheres precisam de mais nutrientes que o normal durante a gestão e durante a amamentação.

Esses são os valores recomendados para gestantes e nutrizes:

Grávidas com idade entre 14 e 18 anos 80 mg por dia
Mulheres amamentando com idade entre 14 e 18 115 mg por dia
Grávidas com mais de 19 anos de idade 85 mg por dia
Mulheres amamentando com mais de 19 anos de idade 120 mg por dia

 

Fonte: FNB

Limite seguro e efeitos colaterais

Tomar muita vitamina C pode causar efeitos colaterais como diarréia, náusea e cólicas estomacais. Em pessoas com uma condição chamada hemocromatose, altas doses de vitamina C podem piorar a sobrecarga de ferro no organismo e danificar os tecidos do corpo.

Abaixo, está o valor máximo seguro que você pode tomar, por faixa etária:

  • Crianças com idade entre 1 e 3 anos – 400 mg
  • Crianças com idade entre 4 e 8 anos – 650 mg
  • Crianças com idade entre 9 e 13 anos – 1,200 mg
  • Adolescentes com idade entre 14 e 18 anos – 1,800 mg
  • Adultos – 2,000 mg

Fonte: FNB

Só para exemplificar melhor o que significa esses números, você teria que comer cerca de 2 quilos e 200 gramas de Kiwi num único dia para consumir mais que o limite seguro.

Considerações finais

A vitamina C é um importante nutriente para o corpo que precisa ser obtida através da alimentação ou suplementação. A falta dela pode levar ao escorbuto, uma doença terrível que pode causar uma morte lenta e dolorosa.

Se você quiser viver mais e ser saudável por mais tempo, você precisa seguir uma dieta balanceada rica em frutas e vegetais. Assim, você não só consumirá toda a vitamina C que o seu corpo, mas também vários outros importantíssimos nutrientes para a nossa saúde, como ferro, cálcio e potássio.

Caso seja necessário, um suplemento de vitamina C pode ajudar você a cumprir com as exigências nutricionais diárias recomendadas. Porém, suas necessidades nutricionais não devem depender de suplementação. Suplementos são para casos de emergência onde, por alguma razão, você não está conseguindo ingerir os nutrientes que você precisa.

Vitamina A: o que é, benefícios, dosagens e principais fontes

A Vitamina A é um importante nutriente para nossa saúde e consumir quantidades suficientes é mais do que recomendado. Neste artigo, vamos te falar tudo o que você precisa saber sobre essa vitamina também chamada de retinol:

O que é e para que serve?

Quais os benefícios que ela proporciona à minha saúde e quais os limites seguros de consumo?

Quais são os alimentos mais ricos em retinol?

Para saber as respostas destes questionamentos continue lendo. Se ficar alguma dúvida sobre o que foi falado neste post, por favor, comente e deixe-nos ficar sabendo qual é a sua dúvida.

O que é e para que serve

A Vitamina A é uma vitamina solúvel em gordura que também é um poderoso antioxidante. A vitamina A desempenha um papel crítico em manter nossa visão, função neurológica e pele saudáveis.

Assim como outros antioxidantes, a vitamina A está envolvida na redução da inflamação combatendo os danos causados por radicais livres. Ter uma dieta rica em alimentos ricos em antioxidantes é uma forma natural de retardar o envelhecimento.

Retinol e betacaroteno

Ela é encontrada em duas formas primárias: a vitamina A “pré-formada” e o betacaroteno. A A “pré-formada” é obtida em alimentos derivados de animais e é chamada de retinol. O retinol pode ser usado diretamente pelo corpo; não precisa primeiro ser convertido para depois ser usado como é o caso dos carotenoides.

O outro tipo de vitamina A, que é obtido a partir de frutas e vegetais coloridos, é na forma de carotenoides “pró-vitamina A”, que são convertidos em retinol pelo organismo após a ingestão do alimento. O betacaroteno, um tipo de carotenoide* que é encontrado principalmente em plantas, precisa primeiro ser convertido em vitamina A ativa para depois ser utilizado pelo organismo.

Estudos têm mostrado repetidamente que antioxidantes são vitais para a boa saúde e longevidade. Eles beneficiam a saúde dos olhos, aumentam a imunidade e promovem o crescimento celular. Nutricionistas e médicos recomendam a obtenção de antioxidantes como a vitamina A, principalmente através de uma dieta equilibrada, rica em frutas, legumes e alimentos integrais.

cenoura vitamina A
A cenoura é rica em Vitamina A, incluindo o carotenóide betacaroteno.
*Outros tipos de carotenóides: licopeno, criptoxantina, luteína e zeaxantina.

Benefícios

  • Protege a saúde os olhos: estudos mostraram que ela é essencial para manter os nossos olhos saudáveis.
  • Beneficia o sistema imunológico: o nosso sistema imunológico necessita de quantidades adequadas de vitamina A para funcionar corretamente. Ela é essencial para ajudar o nosso corpo a combater desde resfriados e gripes a até doenças seríssimas como câncer.
  • Combate inflamação e alergias: graças a sua ação antioxidante, ela ajuda o nosso corpo a combater radicais livres. Atacando os radicais livres, diminuem as chances de você sofrer com alergias causadas por alimentos e eventualmente, inflamações.
  • Essencial para a saúde da pele: essa vitamina é muito importante para a saúde na nossa pele, ajudando na cicatrização e combatendo a acne.

Deficiência de Vitamina A

A deficiência dessa vitamina costuma afetar principalmente a população mais pobre do mundo, inclusive no Brasil. Essas pessoas não têm condições financeiras de ter uma dieta variada rica em alimentos fontes de vitamina A, por isso acabam com essa deficiência. Além da população pobre, outros 3 grupos de pessoas podem sofrer com deficiência:

  • Bebês prematuros
  • Pessoas com fibrose cística

O sintoma mais comum da deficiência de vitamina A em crianças e mulheres grávidas é uma condição ocular chamada xeroftalmia. A xeroftalmia é a uma doença onde a pessoa é incapaz de produzir e tem dificuldade de enxergar com pouca luz, principalmente à noite. A xeroftalmia pode levar à cegueira se não for tratada.

Quem toma o Orlistat, um medicamento para perda de peso, deve ficar atento. O Orlistat pode diminuir a absorção de vitamina A, causando deficiência desta vitamina em algumas pessoas.

Procure um médico e faze exames para verificar se fosse tem essa deficiência. Se você está grávida ou tem filho pequeno, consulte um médico para evitar complicações.

Efeitos colaterais

Assim como consumir pouca Vitamina A faz mal saúde, comer demais também causar problemas.

Exagerar no consumo de retinol (através de suplementos ou medicamento) pode causar tontura, náusea, dores de cabeça, coma e até a morte. Alta ingestão de retinol em mulheres grávidas também pode causar defeitos congênitos no bebê. As mulheres que podem estar grávidas não devem tomar altas doses de suplementos de vitamina A.

O consumo de quantidades elevadas de beta-caroteno ou outros carotenoides pode tornar a pele amarelo-laranja, mas esta condição é inofensiva. A alta ingestão de beta-caroteno não causa defeitos congênitos ou outros efeitos mais sérios causados pela ingestão excessiva de vitamina A.

figado bovino
Fígados de animais são riquíssimos em Vitamina A. Na foto, um fígado de boi.

Dosagem

Na lista, você pode consultar qual o limite máximo de Vitamina A que uma pessoa pode tomar, dividido em faixas etárias. Esse limite é para o retinol, mais comum em suplementos:

  • Bebês com até 12 meses – 2.000 IU
  • Crianças com 1 a 3 anos – 2.000 IU
  • Crianças de 4 a 8 anos – 3.000 IU
  • Crianças de 9 a 13 anos – 5.667 IU
  • Adolescentes de 14 a 18 anos – 9,333 IU
  • Adultos com 19 anos ou mais de – 10.000 IU

Fonte: NIH

 

Lembrando, esse é o LIMITE MÁXIMO, SEGURO. Não são os valores recomendados! 

O valor recomendado de Vitamina A (retinol) para adultos é de 5000 UI por dia. Não há valores diários recomendados para o betacaroteno e outros carotenóides.


Alguns medicamentos, como a acitretina e o bexaroteno, utilizam Vitamina A sintética em sua fórmula. Tomar esses medicamentos junto com suplementação pode elevar os níveis de Vitamina A em seu corpo de forma perigosa.

Se você toma alguma medicação e planeja tomar um suplemento desta vitamina, fale com o seu médico perguntando sobre a existência de Vitamina A sintética nestes remédios para evitar uma overdose.

Alimentos ricos em Vitamina A

Abaixo, apresentamos um lista com vários alimentos que são ricos nessa vitamina essecial para a nossa saúde:

  • 100g de goji berry – 26.822 IU
  • 100g de fígado bovino – 26.088 IU
  • 100g de batata-doce – 19.218 IU
  • 100g de cenoura – 16.706 IU
  • 100g de espinafre – 12.061 IU
  • 100g de cebola – 4.000 IU
  • 100g de melão – 1.082 IU
  • 100g de queijo ricota – 445 IU

Fonte: USDA

Observação: IU é uma sigla em inglês de International Units. Unidades Internacionais é um sistema de medidas da química e na farmacêutica para quantificar algumas vitaminas.

Fígados de animais (frango, boi, pato, etc) quase sempre serão riquíssimos em vitamina A. Entre os vegetais, os campeões são o goji berry, a batata-doce e a cenoura. Se você já come diariamente algum dos alimentos que apareceram nesta lista ou segue uma dieta saudável, é provável que você não precise de suplementação de vitamina A.


Esperamos que vocês tenham gostado das informações contidas neste artigo. Caso seja necessário, no futuro este post poderá atualizado para incluir novas informações.

Glucosamina: O que é, para que serve, como tomar e efeitos colaterais

A glucosamina é um composto químico que o corpo produz naturalmente. Mais também é encontrado em forma de suplemento alimentar. Essa substância é muito importante para o nosso corpo, porque ajuda a manter nossas articulações bastante ágeis, assim como em cartilagens de boa saúde.

Neste artigo iremos lhe contar tudo o que você precisa saber sobre esse suplemento: o que é, para que serve, benefícios, como usar, contraindicações e efeitos colaterais.

O que é

Cientificamente falando, a glucosamina é um monossacarídeo, bem como um dos principais componentes do marisco, lagostas e outros artrópodes. É usado principalmente no tratamento da osteoartrite, sua principal função é nutrir e manter as articulações saudáveis. Cerca de dois terços da população que consomem alegam ter se beneficiado com seu consumo.

Para que serve glucosamina

A glucosamina serve para proteger a degradação articular. Os benefícios foram confirmados por vários ensaios clínicos que apontaram a utilidade desta substância para a saúde das articulações (1)(2)(3). Os resultados podem ser obtidos apenas com o uso de glucosamina ou associando-a com condroitina.

De fato, estudos mostraram que esta segunda substância isolada ou em combinação pode levar a uma redução em todos os processos inflamatórios das articulações. Isso ocorre principalmente em pacientes que infelizmente sofrem de osteoartrite.

Uma redução importante na dor articular também foi enfatizada em todos os pacientes com artrite reumatóide, bem como uma melhora na mobilidade da articulação, que infelizmente é de alguma forma afetada por um processo inflamatório (4). Também é utilizado em todos os casos em que, infelizmente, ocorreu o desbaste de cartilagem nos esportes e também no caso de lesões e traumas que, de alguma forma, exigem um reparo da cartilagem.

Alguns estudos confirmaram que a glucosamina pode agir impedindo o estreitamento do espaço articular que é criado nos joelhos daqueles pacientes que infelizmente sofrem de artrose nessa parte do corpo.

Graças à substância em questão, parece que essas lesões ao longo do tempo podem ser reduzidas. Obviamente, para que esses resultados sejam alcançados, o tratamento adequado deve ser realizado.

Benefícios

Como vimos, a glucosamina  tem sido usada há muito tempo para tratar várias doenças articulares e mais especificamente a osteoartrite. No entanto, sua função não se limita a isso. Confira os benefícios que a glucosamina proporciona à nossa saúde:

  • Mantém a quantidade suficiente de líquido sinovial nas articulações.
  • Protege as articulações, reduzindo assim o risco de lesões nas cabeças dos ossos.
  • Previne os distúrbios reumáticos/artríticos.
  • Pode ser usada para amenizar as dores causadas pelas artrites ou artroses e, problemas semelhantes que afetam as articulações e ossos em geral.
  • Ajuda o corpo a reconstruir e reparar os tecidos conjuntivos.

Como e quando tomar?

Nos casos mencionados acima, é preciso tomar glucosamina diariamente. A dose diária recomendada é 1500 mg por dia, que pode, no entanto, ser tomada em partes pequenas durante o dia.

Parece que os benefícios podem ser obtidos após algumas semanas de uso. Porém, atinge seu pico após 2 meses de uso.

No momento, pode ser encontrado na forma de suplemento em várias farmácias. As fórmulas comumente vendidas são de cloridrato de glucosamina, bem como sulfato de glucosamina e N-acetil glucosamina. É também, muitas vezes vendida em combinação com outros suplementos, tais como, o sulfato de condroitina e MSM (Metil Sulfonil Metano).

Contraindicações

O uso de glucosamina é contraindicado para indivíduos que são hipersensíveis à substância ativa. Também é proibido usar, essa substância, aqueles que são hipersensíveis a todos os produtos dos quais são extraídos. Assim, por exemplo, não pode ser tomado por aqueles que são alérgicos ao marisco.

Efeitos colaterais

A glucosamina é uma substância bastante importante para o nosso corpo, especialmente em termos de prevenção da osteoartrite e tratamento de certas doenças. No entanto, alguns efeitos colaterais podem ocorrer, mesmo que de uma entidade clínica modesta. Entre os efeitos indesejáveis ​​mais comuns, destacam-se a pirose e a diarreia gástrica. Em alguns casos raros, a glucosamina pode causar reações alérgicas.

Spirulina: o que é, pra que serve, benefícios e efeitos colaterais

A Spirulina é uma bactéria aquática rica em vitaminas, minerais, proteínas e ácidos graxos. Essas propriedades fornecem ao corpo substâncias necessárias para o sustento diário.

Vamos descobrir as características da Spirulina e dos suplementos alimentares derivados dela.

O que é e para que serve

A spirulina é uma bactéria, encontrada em alguns lagos de água doce, extremamente rica em vitaminas, antioxidantes e proteínas. Atualmente é amplamente conhecida por seu alto conteúdo nutricional e seu consumo já é antigo, porém sua industrialização é recente. Atualmente, a spirulina é considerada um superalimento.

Trata-se de um suplemento alimentar rico em proteínas cujo seu consumo é muito apreciado por vegetarianos, praticantes de atividades físicas e por pessoas que buscam emagrecer.

A Spirulina possui um alto nível de proteínas, também possui quantidades significantes de vitamina B12, vitamina B1, vitamina B2, vitamina E, betacaroteno, ferro, ácido gamalinoleico e clorofila. Possui 18 dos 22 aminoácidos conhecidos e mais de 15 minerais. É considerada um superalimento que contém apenas 5% de gordura e de fácil digestão.

Spirulina

Benefícios da spirulina

Com todas as vitaminas e minerais presentes, a spirulina possui diversos benefícios que tem despertado a curiosidade de muitos. Atualmente, os estudos revelam vários benefícios para a saúde, que incluem:

  • Emagrecimento: O bom funcionamento do organismo depende das quantidades adequadas de vitaminas e minerais. Quando o organismo não possui quantidades adequadas, você tem a impressão que precisa de mais comida, causando a fome exagerada.
  • Proteção contra doenças: Os nutrientes são responsáveis pela produção de anticorpos, assim fortalecendo o sistema imunológico, responsável pelo combate de doenças e infecções.
  • Prevenção ao câncer: Sua grande fonte de antioxidantes oferece proteção contra os danos oxidativos das células. Os danos oxidativos podem ocasionar uma lesão crônica, degenerando algum tipo de câncer. Suas propriedades anticâncer foram testadas em animais, estudos mostram redução na ocorrência de câncer e redução de tumores (1,2).
  • Conveniente para os músculos: A Spirulina apresenta compostos antioxidantes (compostos fenólicos, tocoferóis, betacaroteno, ficocianina e outros). Essas substâncias ajudam no combate a fadiga muscular, causada pelos exercícios intensos. O alto teor de proteínas presente na Spirulina também, faz dela, uma ótima aliada para quem deseja ganhar massa magra, já que este macronutriente é fundamental para reconstrução do tecido muscular.
  • Ajuda a controlar a glicemia e a lipidemia no diabetes tipo 2: Sua alta concentração de nutrientes funcionais resultou em uma diminuição da glicemia em jejum e níveis de glicemia pós-pradial (depois de uma refeição). Também houve uma redução no nível de HbA1C (exame de sangue que mede o nível médio de glicose durante dois ou três meses) indicando uma melhor regulação da glicemia a logo prazo (3, 4).
  • Controle de alergias: Estudos sugerem que a Spirulina é fortemente eficaz no controle de alergias, com sintomas de secreção nasal, espirros, congestão nasal e coceiras. Nos estudos os voluntários relataram satisfação com os resultados advindos do tratamento (5,6).

Efeitos colaterais

Algumas pessoas que usam spirulina podem sofrer efeitos colaterais como dor de cabeça, sudação, náuseas, dificuldade de concentração e rubor facial. Porém, esses efeitos colaterais tendem a ocorrer principalmente se você consumir spirulina em excesso.

Evite a spirulina em caso de doença autoimune, como a esclerose múltipla, artrite reumatoide ou lúpus, pois poderia estimular seu sistema imunológico, tornando sua condição pior.

Onde comprar e preço

O produto pode ser encontrado em várias lojas de suplementos alimentares. Seu preço, varia de R$ 20,00 a R$ 100,00 dependendo da composição utilizada. Clique aqui para conferir o preço na loja Netshoes.

Espinheira santa: Para que serve, como preparar e contraindicações

A espinheira santa é uma erva usada popularmente para fazer remédios caseiros. Ela é conhecida por vários nomes e pode trazer alguns benefícios para a nossa saúde.

Neste artigo, iremos falar mais sobre esses benefícios, para que ela serve e como preparar o chá dessa erva medicinal brasileira.

O que  é

A espinheira santa (Maytenus ilicifolia) é uma planta medicinal de pequeno porte muito presente na região sul do Brasil.

Suas folhas possuem espinhos e suas flores são brancas, atinge aproximadamente 5 metros e por possui pares de espinhos em suas folhas leva esse nome popular por ser considerada um “santo remédio”.

Em algumas regiões também é conhecida por outros nomes populares como espinheira-divina, erva-cancerosa, cancorosa-de-sete-espinhos, espinho-de-deus, limãozinho, salva-vidas, sombra-de-touro, entre outros.

flor de espinheira santa
Espinheira santa (Maytenus ilicifolia)

Para que serve espinheira santa

A espinheira santa é muito utilizada para tratar problemas gastrointestinais, tais como a gastrite, úlcera, gases, azia e queimação. Também possui atividade antimicrobiana e propriedades diuréticas que auxiliam no combate à retenção de líquidos. Externamente, outro uso comum é como cicatrizante, tonificante e antisséptico.

Resumidamente, as principais as principais indicações de uso são:

  • Gastrite crônica
  • Gases
  • Fermentações gastrintestinal
  • Doenças da pele (acne, eczema, eczemas, ulcerações, herpes, afecção pruriginosas)
  • Moléstias do estômago
  • Úlceras pépticas
  • Males hepáticos e renais
  • Azia
  • Vômitos e digestão
  • Irritações estomacais
  • Atonia gástrica
  • Hiperacidez
  • Gastralgias
  • Inflamação
  • Vômitos

Espinheira santa emagrece?

Por ser uma planta diurética está associada com o emagrecimento. Isso porque, auxilia na retenção de liquido. Com a digestão funcionando bem e adequadamente, o corpo não acumula gordura, pois aumenta a capacidade de eliminar tudo que é desnecessário. Então, podemos dizer que a espinheira santa pode sim te ajudar a emagrecer.

Porém, sozinha ela não vai fazer milagre. Para você emagrecer você tem que gastar mais calorias do que você consome. Usar esta erva para emagrecer e continuar comendo mais calorias que você precisa não te ajudar a perder peso.

Como fazer o chá de espinheira santa

As partes utilizadas da espinheira santa para fazer chá podem ser as folhas, cascas e raízes (preparado por decocção).

Preparo por infusão: Aqueça a água até o ponto de fervura e adicione 3 colheres (sopa) de folhas secas picadas ou 12 folhas frescas grandes em 1 litro de água. Deixe de repouso por 5 minutos, de preferência tampada.

Preparo por decocção: Adicione 30g de cascas ou raízes em ½ litro de água. Ferver por aproximadamente 5 minutos.

Preparo para compressas: ferva 10 folhas em ½ litro de água. Deixe esfriar e aplique topicamente nas feridas.

Contraindicações

O chá de espinheira santa é contraindicado para grávidas e para mulheres que desejam engravidar. Estudos mostram resultados de interferência na parede uterina, dificultando a aderência do embrião. Também não deve ser consumido por crianças e lactantes.

 

 

Sabugueiro: o que é, benefícios e riscos à nossa saúde

O sabugueiro é uma das plantas medicinais mais utilizadas no mundo. Tradicionalmente, os nativos americanos usavam essa planta para tratar infecções, enquanto os antigos egípcios usavam-na para melhorar o aspecto de suas peles e curar queimaduras. Ainda hoje o sabugueiro é usado na medicina popular em muitas partes da Europa.

Hoje, o sabugueiro é mais usado como suplemento ou chá para tratar sintomas de resfriado e gripe. No entanto, as bagas cruas, a casca e as folhas da planta também são conhecidas por serem venenosas e podem causar problemas no estômago.

Este artigo examina mais de perto o sabugueiro, a evidência que apoia as alegações dos benefícios que ela traz a saúde e os perigos consumir certas partes dessa planta.

 

para que serve sabugueiro Sambucus nigra
Bagas do sabugueiro europeu (Sambucus nigra), também conhecido como sabugueiro-preto

O que é

Sabugueiro é um nome comum usado para referir-se a diversas variedades diferentes da árvore Sambucus, que é uma planta florida pertencente à família Adoxaceae. O tipo mais comum é o Sambucus nigra, também conhecido como sabugueiro europeu. Esta árvore é nativa da Europa, embora também seja cultivada em muitas outras partes do mundo.

A Sambucus nigra pode chegar aos 9 metros de altura e tem aglomerados de pequenas flores de cor branca ou cremosa conhecidas como flor de sabugueiro. As bagas são encontradas em pequenos cachos preto e azul-escuro.

As bagas são bastante azuis e precisam ser cozidas para serem comidas. As flores têm um delicado aroma de moscatel e podem ser comidas cruas ou cozidas. Outras variedades incluem o

  • Sambucus australis (ocapora)
  • Sambucus ebulus (sabugueiro-anão)
  • Sambucus lanceolata (sabugueiro-da-Madeira)

Várias partes da árvore de sabugueiro foram usadas ao longo da história para fins medicinais e culinários. Historicamente, as flores e as folhas foram usadas para alívio da dor, inchaço, inflamação, estimular a produção de urina e induzir transpiração. A casca erada usada como diurético, laxante e para provocar o vômito.

Na medicina popular, as bagas secas e o suco são usados ​​para tratar a gripe, infecções, ciática, dores de cabeça, dor dental, dor no coração e dor nervosa, além de um laxante e diurético.

Além disso, as bagas podem ser cozidas e usadas para fazer suco, geleias, chutneys, bolos e vinho de sabugueiro. As flores são muitas vezes fervidas com açúcar para fazer um xarope doce ou beber como chá. Elas também podem ser comidas frescos em saladas.

Benefícios do Sabugueiro

O sabugueiro traz vários benefícios à saúde. Eles são só nutritivos, como também podem combater sintomas da gripe, melhorar a saúde do coração e combater a inflamação e as infecções, entre outros benefícios.

Rico em nutrientes

O sabugueiro é um alimento de baixo conteúdo calórico rico em antioxidantes: 100 gramas de bagas frescas contêm 73 calorias, 18,4 gramas de carboidratos e menos de 1 grama cada uma de gordura e proteína (1).

Além disso, ele tem muitos outros benefícios nutricionais:

  • Rico em vitamina C: existe de 6 a 35 mg de vitamina C (também chama de ácido ascórbico) por 100 gramas de fruta, o que representa até 60% da ingestão diária recomendada.
  • Rico em fibras: ele contém 7 gramas de fibras em 100 gramas de bagas frescas, que é mais de um quarto da ingestão diária recomendada.
  • Ótima fonte de ácidos fenólicos: estes compostos são poderosos antioxidantes que podem ajudar a reduzir os danos resultantes do estresse oxidativo no organismo.
  • Boa fonte de flavonóis: ele contém os antioxidantes flavonóis quercetina, kaempferol e isorhamnetina. As flores contêm até 10 vezes mais flavonóis do que as bagas.
  • Rico em antocianinas: estes compostos dão à fruta a sua característica cor preta-preta escura e são um poderoso antioxidante com efeitos anti-inflamatórios.

Fontes: SELFNutritionData, JFF.

A composição nutricional exata das bagas do sabugueiro depende de uma série de fatores, tais como, a variedade da planta, quão maduras as bagas estão e condições ambientais e climáticas. Portanto, as informações nutricionais aqui listados podem variar.

cha de sabugueiro
Um pacote de chá de flor de sabugueiro

Alivia os sintomas da gripe

O extrato e o chá de Sambucus nigra demonstraram reduzir a gravidade e a duração da gripe (2).

Um estudo randomizado de 2004 realizado pelo Departamento de Virologia da The Hebrew University Hadassah Medical School testou a eficácia e a segurança do extrato de sabugueiro no tratamento de infecções por vírus influenza A e B:

Os pacientes receberam 15 ml de xarope de sabugueiro ou placebo quatro vezes por dia durante 5 dias e registraram seus sintomas usando uma escala analógica visual. Os sintomas foram aliviados em média 4 dias antes e o uso de medicação de resgate foi significativamente menor naqueles que receberam extrato em comparação com o placebo. O extrato de sabugueiro parece oferecer um tratamento eficiente, seguro e econômico para a gripe.

Outro estudo com 64 pessoas descobriu que tomar pastilhas de extrato de sabugueiro de 175 mg durante dois dias resultou em melhora significativa nos sintomas da gripe, incluindo febre, dor de cabeça, dores musculares e congestão nasal, já nas primeiras 24 horas.

Outro estudo com 312 pessoas que viajam constantemente por via aérea analisou os efeitos de uma suplementação diária com 300 mg de extrato de sabugueiro tomada três vezes por dia:

Os viajantes que usaram sabugueiro de 10 dias antes de viajar até 4-5 dias depois de chegar ao exterior, em média, experimentaram uma duração menor de 2 dias do resfriado e também notaram uma redução dos sintomas do resfriado.

É preciso que mais estudos aprofundados sobre o tema sejam feitos para termos uma ideia melhor sobre assunto, mas baseados nesses resultados preliminares, o sabugueiro pode ser usado como um remédio caseiro para tratar sintomas da gripe.

Rico em antioxidantes

As flores, frutas e folhas são excelentes fontes de antioxidantes.  Um estudo descobriu que o estado antioxidante melhorou em pessoas uma hora depois de beberem 400 ml de suco de sabugueiro. Outro estudo em ratos descobriu que o extrato de sabugueiro ajudou a reduzir a inflamação e danos nos tecidos oxidativos.

Porém, é importantíssimo notar que os resultados obtidos em testes laboratoriais não serão os mesmos que você irá obter em casa. Boa parte da capacidade antioxidante do sabugueiro é perdida quando as partes dessa planta são transformadas em suplementos, extratos, xaropes, chás, etc. O sabugueiro pode perder até 90% da sua capacidade antioxidante quando processada (3).

Ou seja, o sabugueiro tem poder antioxidante maior quando ele é consumido cru.

Pode ser bom para a saúde do coração

O suco pode beneficiar nossa saúde cardíaca. Estudos demonstraram que o suco de sabugueiro pode reduzir o nível de gordura no sangue e diminuir o colesterol. Além disso, uma dieta rica em flavonoides como antocianinas (e o sabugueiro é rico em antocianinas) pode reduzir o risco de doença cardíaca (3, 4).

Um estudo com 34 pessoas com 400 mg de extrato (equivalente a 4 ml de suco) três vezes ao dia durante duas semanas encontrou uma ligeira redução nos níveis de colesterol, porém os resultados não foram estatisticamente significativos.

Outro estudo em ratos com alto teor de colesterol descobriu que uma dieta que incluia sabugueiro reduziu a quantidade de colesterol no fígado e na aorta, mas não no sangue.

Outros estudos descobriram que os ratos alimentados com alimentos contendo polifenóis extraídos de sabugueiro apresentavam reduções na pressão arterial e eram menos suscetíveis ao dano orgânico causado pela pressão arterial elevada (5, 6).

Apesar desses resultados promissores, uma redução direta nos ataques cardíacos ou outros sintomas de doença cardíaca ainda não foi comprovada. Estudos adicionais em humanos são necessários para sabermos se esta planta pode mesmo ser eficiente em beneficiar nossa saúde cardíaca.

Outros benefícios:

  • Pode combater o câncer: tanto o Sambucus nigra europeu quanto o americano tiveram algumas propriedades inibidoras de câncer em estudos com tubo de ensaio (7).
  • Pode apoiar o sistema imunológico: em ratos, polifenóis do sabugueiro foram encontrados para apoiar a defesa imune aumentando o número de glóbulos brancos (8).
  • Poderia proteger contra a radiação UV: um produto de pele contendo extrato de sabugueiro tinha um fator de proteção solar de 9,88 (9).
  • Pode aumentar a micção: verificou-se que as flores do Sambucus nigra aumentam a frequência de micção e a quantidade de excreção de sal em ratos (10).
  • Pode ter algumas propriedades antidepressivas: um estudo descobriu que ratos que tomaram 1.200 mg de sabugueiro por kg de peso corporal apresentaram melhor desempenho e marcadores de humor (11).

Embora esses resultados sejam interessantes, é necessários estudos científicos aprofundados em seres humanos para determinar se os efeitos são verdadeiramente significativos.

Além disso, os produtos de sabugueiro encontrados à venda no mercado como chás, extratos, suplementos e sucos, podem conter concentrações diferentes da planta.

Ou seja, esses produtos podem ser mais fortes ou mais fracos e portanto, os benefícios podem variar muito de produto para produto.

Riscos à saúde

Embora o sabugueiro possa trazer benefícios à nossa saúde, ele também tem o potencial de causar diversos efeitos colaterais.

A casca, bagas e sementes não maduras contêm pequenas quantidades de substâncias conhecidas como lectinas, o que pode causar problemas no estômago se o seu consumo for exagerado.

Além disso, ele contém substâncias chamadas glicosídeos cianogênicos, que podem liberar cianeto em algumas circunstâncias. Existem 3 mg de cianeto por 100 gramas de bagas frescas e de 3 a 17 mg por 100 gramas de folhas frescas. A dose fatal é de 1.52 mg de cianeto por quilo de peso corporal (122 mg de cianeto para um pessoa de 80 quilos). Ou seja, comer 4 quilos de bagas verdes de sabugueiro pode levar a morte.

No entanto, os produtos processados (xarope, chás, suplementos, etc) vendidos não contêm cianeto e não há notícias de mortes por envenenamento devido ao consumo desta planta. O mais provável que vai acontecer se você exagerar e consumir as bagas, folhas, cascas ou raízes cruas são náuseas, vômitos e diarreia (12).

As substâncias tóxicas encontradas nas bagas podem ser removidas com segurança cozinhando. No entanto, os ramos, a casca ou as folhas não devem ser utilizados na culinária ou no sumo.

Se você está coletando as flores ou as bagas você mesmo, assegure-se de ter identificado corretamente a planta como sabugueiro americano ou europeu, já que outras espécies podem ser mais tóxicas. Além disso, certifique-se de remover qualquer casca ou deixa antes de usar.

As partes da planta exceto as flores e as bagas maduras são […] venenosas e não devem ser consumidas e nem estar presentes no preparo do sabugueiro. Assim, a inclusão de outras partes da planta deve ser evitada. As lectinas da casca são consideradas tóxicas e devem ser evitados no preparo de Sambucus nigra. Além disso, as folhas e hastes não devem ser esmagadas, uma vez que o esmagamento leva à liberação de ácido cianídrico.

Fonte: Relatório de avaliação sobre o Sambucus nigra

O sabugueiro não é recomendado para crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade ou para mulheres grávidas ou amamentando. Embora nenhum evento colateral tenha sido relatado nestes grupos de pessoas, não há dados suficientes para confirmar que o consumo desta planta é seguro para elas.

Conclusão

Embora a sabugueiro tenha sido associada a muitos benefícios promissores para a saúde, a maior parte das pesquisas só foi conduzida em laboratórios e não foi testada extensivamente em seres humanos. Portanto, não podemos afirmar que o sabugueiro vai trazer benefícios para a nossa saúde. Ele pode, mas isso não quer dizer que vai.

Evidências razoáveis apoiam seu uso para reduzir a duração e a gravidade dos sintomas da gripe. Além disso, ele pode ser benéfico para a saúde do coração, melhorar nossa capacidade antioxidante e ter uma variedade de efeitos anticancerígenos, anti-diabetes e anti-inflamatórios.

Ácido Fólico: o que é, para que serve e indicações

O ácido fólico é umas das vitaminas que são normalmente adquiridas através de uma boa alimentação. O ácido fólico serve para ajudar na produção de novas células e, também, auxilia na prevenção de mudanças do DNA.

Como medicamento é usado para prevenir e tratar a deficiência de folato e certos tipos de anemias (falta de glóbulos vermelhos) causado por sua deficiência.

Benefícios

O ácido fólico traz diversos benefícios para nossa saúde, é um nutriente essencial para a manutenção da saúde. Veja algumas de suas funções:

  • Ajuda a manter a mente saudável;
  • Previne doenças cardíacas e AVC;
  • Previne a perda da memória;
  • Ajuda a tratar a Alzheimer;
  • Previne a Osteoporose;
  • Problemas do sono;
  • Dores musculares;
  • Controla a evolução do vitiligo;
  • Mantem os cabelos saudáveis e melhora seu desenvolvimento;
  • Durante a gravidez evita o aborto espontâneo e defeitos congênitos;
  • Fortalece o sistema imunológico.

Principais fontes dietéticas

O ácido fólico está presente em vários grãos integrais, legumes, carnes e muito mais. Alguns dos alimentos que são ricos nesta vitamina são as lentilhas, espargos, brócolis, batata doce, gema de ovo, repolho, espinafre, laranja, feijão e aveia. Além desses alimentos, a nossa farinha de trigo no brasil é fortificada com ácido fólico, por isso não é comum ter deficiência desta vitamina.

Quando tomar suplementação de ácido fólico?

O consumo deve ser feito sempre sob orientação médica, normalmente o médico prescreve para casos de anemias ou para mulheres grávidas.

A maioria das pessoas (exceto as mulheres grávidas) deve ter o suficiente ácido fólico em suas dietas. Desde que, tenham uma alimentação saudável e balanceada.

Indicações

O ácido fólico é indicado para pessoas com anemia megaloblástica, anemia macrocítica, mulheres em período pré-gestacional, aleitamento, períodos de rápido crescimento. Ele também é indicado para pessoas que tomam medicamentos que causam deficiência de ácido fólico.

Ginseng: para que serve e quais benefícios ele traz?

O ginseng é uma raiz que muitos dizem trazer diversos benefícios à nossa saúde. Mas será que isso é verdade ou será que é só mais uma invenção para vender mais suplementos e extrato?

Neste artigo iremos listar benefícios que essa raiz medicinal pode proporcionar a nossa saúde, segunda as evidências científicas.

O que é

O ginseng é uma raiz que tem sido usado na medicina tradicional chinesa há séculos.  Ele têm raízes grossas e pode ser classificado de três maneiras, dependendo de quanto tempo ele demora para crescer:

  • Fresco: é colhido antes de 4 anos
  • Branco: é colhido entre 4 e 6 anos
  • Vermelho: é colhido após 6 anos

Existem muitos tipos dessa erva, mas os mais populares são o ginseng americano (Panax quinquefolius) e o ginseng asiático (Panax ginseng).

O ginseng americano e asiático varia em sua concentração de compostos ativos e efeitos no corpo. Os dois principais compostos dessa raiz são os ginsenosídeos e gintonina. Estes compostos complementam-se mutuamente para proporcionar diversos benefícios à saúde.

Para que serve

O ginseng é usado como suplemento para emagrecer, para resolver problemas de disfunção erétil e para dar mais energiar. Ele também é usado na culinária e para a fazer chás. Existem dois tipos principais de ginseng e cada um deles serve melhor para determinadas funções.

Acredita-se que o ginseng americano serve como um agente relaxante, enquanto que o asiático tem um efeito revigorante.

raiz de ginseng
O ginseng é muito parecido com o gengibre.

Benefícios à saúde

Nos últimos anos, essa raiz tem sido estudada pela ciência e o resultado desses estudos têm sido reveladores. A seguir, iremos listars os benefícios que essa raiz pode proporcionar à nossa saúde.

Potente antioxidante que pode reduzir inflamações

O ginseng possui propriedades benéficas antioxidantes e anti-inflamatórias. Alguns estudos com tubo de ensaio demonstraram que o extrato e os compostos de ginsenosídeos poderiam inibir a inflamação e aumentar a capacidade antioxidante nas células (1, 2).

Os resultados também são promissores em seres humanos.

Um estudo com 18 jovens atletas do sexo masculino investigou os efeitos de tomar 2 gramas de extrato de ginseng vermelho coreano três vezes por dia durante sete dias:

Os resultados deste estudo sugerem que a suplementação de ginseng poderia reduzir o dano muscular induzido pelo exercício e as respostas inflamatórias, resultando em melhorias na sensibilidade à insulina (JUNG et. al, 2011).

Outro estudo com pessoas com inflamação cutânea encontrou melhorias na inflamação e atividade antioxidante após o tratamento com extrato de ginseng vermelho coreano.

Por fim, um estudo maior acompanhou 71 mulheres pós-menopáusicas que tomaram 3 gramas de ginseng vermelho ou placebo diariamente durante 12 semanas. A atividade antioxidante e os marcadores de estresse oxidativo foram então medidos.

Os resultados sugerem que RG pode reduzir o estresse oxidativo ao aumentar a atividade enzimática antioxidante em mulheres na pós-menopausa (SEO et. al, 2014).

Pode ter efeitos positivos para o nosso cérebro

Essa raiz poderia ajudar a melhorar certas funções cerebrais, como memória, comportamento e humor. Alguns estudos com tubo de ensaio e animais mostram que componentes do ginseng, como ginsenosídeos e compostos K, poderiam proteger o cérebro contra danos causados ​​por radicais livres (3, 4, 5).

Um estudo acompanhou 30 pessoas saudáveis durante quatro semanas. Estas pessoas ​​que consumiam 200 mg de panax ginseng diariamente. No final do estudo, estas pessoas apresentaram melhora na saúde mental, no funcionamento social e no humor. Porém, o mesmo estudo concluiu que os esses benefícios diminuem de intensidade após uso prolongado.

Outro estudo examinou como doses de 200 ou 400 mg de panax ginseng afetaram desempenho mental, fadiga mental e níveis de açúcar no sangue de 30 adultos saudáveis ​​antes e após um exame mental de 10 minutos de duração.

A dose de 200 mg, em oposição à dose de 400 mg, foi mais eficaz para melhorar o desempenho mental e a fadiga durante o teste.

Em geral, esses dados sugerem que o Panax ginseng pode melhorar o desempenho e a percepção de fadiga mental durante a atividade mental sustentada. Este efeito pode estar relacionado às propriedades gluco-reguladoras agudas do extrato (REAY et. al, 2005).

É possível que o ginseng tenha ajudado na absorção de açúcar no sangue, o que poderia ter melhorado o desempenho e reduzido a fadiga mental. No entanto, não está claro por que a dose menor foi mais eficaz que a dose mais alta.

Um terceiro estudo descobriu que tomar 400 mg de Panax ginseng por dia durante oito dias melhorou a calma e as habilidades matemáticas. Além disso, outros estudos encontraram efeitos positivos na função e no comportamento cerebral em pessoas com doença de Alzheimer (6, 7, 8).

extrato de ginseng 200 mg BIOVEA
Um extrato de panax ginseng de 200 mg por cápsula produzido pela BIOVEA.

Poderia tratar a disfunção erétil masculina

Estudos mostram que ele poderia ser uma alternativa útil para o tratamento da disfunção erétil em homens.

Nossos dados mostram que o ginseng pode ser uma alternativa efetiva às abordagens invasivas para o tratamento da disfunção erétil masculina (ANDRADE et. al, 2007).
Nossos dados mostram que o ginseng vermelho coreano pode ser uma alternativa eficaz para o tratamento da disfunção erétil masculina (HONG, 2002)

Os compostos encontrados no ginseng podem proteger contra o estresse oxidativo nos vasos sanguíneos e tecidos do pênis e assim ajudar a restaurar a função normal do orgão (9, 10). Além disso, estudos mostraram que ele pode promover a produção de óxido nítrico, um composto que melhora o relaxamento muscular no pênis e aumenta a circulação sanguínea.

Um estudo descobriu que os homens tratados com ginseng vermelho coreano apresentaram uma melhora de 60% nos sintomas de disfunção erétil, em comparação com a melhoria de 30% produzida por uma medicação (trazodona).

Além disso, outro estudo mostrou que 86 homens com disfunção erétil apresentaram melhorias significativas depois de tomar 1.000 mg de extrato de ginseng envelhecido por 8 semanas .

A função erétil e os resultados de satisfação geral após a medicação foram significativamente maiores do que no grupo placebo. A função eréctil dos pacientes no grupo tratado com [ginseng] melhorou significativamente, sugerindo que ele poderia ser utilizada para melhorar a função erétil em pacientes do sexo masculino (KIM et. al, 2009).

No entanto, são necessários mais estudos para tirar conclusões definitivas sobre os efeitos dessa raiz no tratamento da disfunção erétil.

Pode fortalecer o nosso sistema imune

Os estudos que exploram os efeitos do ginseng sobre o sistema imunológico se concentram em pacientes com câncer submetidos a cirurgia ou tratamento de quimioterapia.

Um estudo seguiu 39 pessoas com câncer de estômago após procedimentos cirúrgicos, tratando com 5,400 mg de ginseng diariamente durante dois anos.

[...] Nossos dados [...] sugere[m] que [ele] melhorou os sintomas subjetivos e as funções imunes dos pacientes e evitou recorrências pós-operatórias (KIM, 1998).

Outro estudo examinou o efeito do extrato de ginseng vermelho em marcadores do sistema imunológico em pessoas com câncer de estômago avançado submetidas a quimioterapia pós-cirurgia.

Após três meses, aqueles que extraíam o extrato de ginseng vermelho tinham melhores marcadores do sistema imunológico do que aqueles no grupo controle ou placebo.

[...] Esses resultados sugerem que a ingestão pós-operatória do extrato de ginseng vermelho tem potencial para melhorar a imunidade anti-câncer [...] durante a quimioterapia pós-operatória (SUH et. al, 2004).

Mesmo que esses estudos citados mostrem melhorias do sistema imunológico em pessoas com câncer, é necessário mais pesquisas para entendermos melhor a eficácia do ginseng como fortalecedor do sistema imune.

Poderia ser benéfico na luta contra o câncer

Ele também pode ser útil na redução do risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer. Os ginsenosídeos desta erva demonstraram ajudar a reduzir a inflamação e fornecer proteção antioxidante (11, 12, 13). Os ginsenosídeos poderiam beneficiar esse ciclo prevenindo a produção e crescimento de células anormais .

Uma revisão de vários estudos indicou que as pessoas que tomaram ginseng apresentaram um risco 16% menor de desenvolver câncer.

Identificamos nove estudos [...] avaliando a associação entre o consumo de ginseng e o risco de câncer; Esses estudos envolveram 7.436 casos e 334.544 participantes. [...] Os dados da meta-análise indicaram um risco significativo de 16% menor de desenvolver câncer em pacientes que consumiram ginseng (JIN et. al, 2016).

Um estudo observacional sugeriu que as pessoas que tomam ginseng podem ter menos probabilidades de desenvolver certos tipos de câncer, como câncer de lábio, boca, esófago, estômago, cólon, fígado e câncer de pulmão, do que aqueles que não tomam.

Embora estudos mostrem alguns benefícios para a prevenção do câncer, os resultados ainda permanecem inconclusivos.

Embora tenham sido obtidos alguns resultados favoráveis em alguns estudos destinados a investigar seus efeitos sobre a nasofaringite aguda, diabetes, doença de Alzheimer e disfunção erétil, é cedo para dizer algo conclusivo. Em pacientes com câncer, ele demonstrou ser eficaz na redução da fraqueza causada pelo câncer e seu tratamento. Por outro lado, o ginseng pode causar importantes interações com outros medicamentos, embora seja descrito como um produto relativamente seguro. Por agora, parece ser razoável usar o ginseng apenas para fraquezas relacionadas ao câncer em pacientes com câncer (UNLU et. al, 2016).

Pode combater o cansaço físico e aumentar a energia

Um estudo de quatro semanas explorou os efeitos de dar 1 ou 2 gramas de Panax ginseng ou placebo a 90 pessoas com fadiga crônica. A raiz mostrou efeitos antifadiga, em parte devido às suas características antioxidantes.

Outro estudo deu 364 sobreviventes de câncer experimentando fadiga tomaram 2.000 mg de ginseng americano ou um placebo. Após oito semanas, aqueles no grupo de ginseng apresentaram níveis significativamente mais baixos de fadiga do que os do grupo placebo.

Por fim, ma revisão de mais de 155 estudos sugeriu que os suplementos de ginseng podem não só ajudar a reduzir a fadiga, mas também poderiam melhorar o desempenho físico. Porém, os resultados não são conclusivos:

Descobrimos que não há evidência clínica suficiente para apoiar o uso de suplementos de ginseng na redução da fadiga e no aprimoramento do desempenho físico, pois apenas alguns estudos randomizados controlados com um pequeno tamanho de amostra foram publicados até o momento. É necessário estudos randomizados controlados maiores para confirmar a eficácia dos suplementos de ginseng na redução da fadiga (BACH, 2016).

Pode controlar o açúcar do sangue

O ginseng parece ser benéfico no controle da glicemia em pessoas com ou sem diabetes. O ginseng americano e asiático mostrou melhorar a função das células pancreáticas, aumentar a produção de insulina e aumentar a absorção de açúcar no sangue nos tecidos. Ele também ajuda ao fornecer proteção antioxidante que reduz os radicais livres nas células daqueles com diabetes (14, 15).

Um estudo avaliou os efeitos de 6 gramas de ginseng vermelho coreano, juntamente com a medicação ou dieta anti-diabética usual, em 19 pessoas com diabetes tipo 2. Eles foram capazes de manter um bom controle de açúcar no sangue ao longo do estudo de 12 semanas. Também apresentaram uma diminuição de 11% nos níveis de açúcar no sangue, uma diminuição de 38% na insulina em jejum e um aumento de 33% na sensibilidade à insulina.

Outro estudo mostrou que o ginseng americano ajudou a controlar os níveis de açúcar no sangue em 10 pessoas saudáveis ​​depois de realizarem um teste de tolerância à glicose:

Em indivíduos não diabéticos, 3, 6 ou 9 g de ginseng americano tomados 40, 80 ou 120 minutos antes de um teste de tolerância à glicose melhorou significativamente a tolerância à glicose (VUKSAN et. al, 2001).

Parece que o ginseng vermelho fermentado poderia ser ainda mais eficaz no controle do açúcar no sangue. O ginseng fermentado é produzido com a ajuda de bactérias vivas que transformam os ginsenosídeos em uma forma mais potente que pode ser mais facilmente absorvida pelo corpo. Um estudo mostrou que tomar 2,7 gramas de ginseng vermelho fermentado diariamente foi eficaz na redução do açúcar no sangue e no aumento dos níveis de insulina após uma refeição de teste, em comparação com um placebo.

Efeitos colaterais

De acordo com diversas pesquisas, o ginseng parece ser seguro e não deve produzir efeitos colaterais graves se usado corretamente. Porém ele pode sim causar efeitos colaterais, tais como:

  • diarréia
  • insônia
  • dores de cabeça
  • taquicardia
  • flutuações da pressão arterial

Em mulheres, ele pode causar efeitos colaterais adicionais, tais como sangramento vaginal e sensibilidade nos seios. Esses efeitos colaterais são graves o suficiente para que as mulheres que lutam contra o câncer de mama sejam orientadas a evitar tomar ginseng.

Pessoas que tomam medicamentos para diabetes devem monitorar seus níveis de açúcar no sangue de perto antes de usar o extrato ou suplemento dessa raiz para garantir que esses níveis não sejam muito baixos.

Além disso, o ginseng pode reduzir a eficácia de medicamentos anticoagulantes. Se você toma algum tipo de anticoagulante, não use o extrato ou suplemento dessa raiz. Pessoas que tomam inibidores da monoamina oxidase (IMAO) e remédios para pressão arterial não vem consumir essa raiz.

Como sempre recomendamos, consulte um médico antes de tomar qualquer tipo de suplementação ou extratos.

É recomendado que crianças ou mulheres que estão grávidas ou amamentando evitem tomar ginseng, seja em pó, seja suplementos.

Como tomar

Você pode tomar ele tanto em sua forma natural quanto extrato. O extrato de ginseng pode ser encontrado em formas em pó, comprimidos, cápsulas e óleos.

Sugere-se tomar as seguintes doses diárias:

1 a 2 gramas Raiz crua
200 a 400 mg Extrato ou suplemento

 

É recomendado começar tomando doses mais baixas e ir aumentando aos poucos. Assim, seu corpo vai se acostumando aos poucos. Tomar doses muito altas logo no começo poderia causar efeitos colaterais.

Há evidências que sugerem que o uso prolongado do ginseng pode diminuir sua eficácia. Deste modo, para maximizar seus benefícios, você deve tomá-lo por algumas semanas seguidas por períodos de pausa. Assim, sempre que você for tomá-lo, os efeitos sempre serão maiores.

Se você for usar o extrato, procure um que contenha de 2 a 3% de ginsenosídeos totais e tome-o antes das refeições para melhorar sua absorção.

***

Gostou desse artigo? Foi útil para você e esclareceu suas dúvidas? Comente logo abaixo e deixe a sua opinião sobre as informações aqui colocadas. 🙂