Suplementos durante a gravidez: o que você pode e não pode tomar

Este é artigo serve para auxiliar as mulheres grávidas que suplementos são seguros e que podem ser tomados durante uma gravidez e suplementos que devem ser evitados a todo custo.

Este artigo não substitui a consulta a um médico especialista. Se você está grávida, consulte seu médico antes de incluir qualquer coisa nova em sua dieta, incluindo suplementos, chás, ervas, temperos, etc.

gravidez suplemento

Porque tomar suplementos durante a gravidez?

Tomar quantidades adequadas de nutrientes é importante em qualquer etapa de nossas vidas, mas durante a gravidez, essa necessidade é muito maior. O corpo da mulher precisa de mais nutrientes durante a gravidez para garantir que tanto a mãe quanto o bebê continuem saudáveis, evitando eventuais complicações.

Durante a gravidez, o quantidade de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras) que a mulher precisar consumir aumenta significantemente. Um exemplo disso é o consumo de proteínas.

Uma mulher precisa ingerir diariamente cerca de 0.8 gramas de proteínas por peso corporal (ex.: ), mas durante a gravidez esse valor aumenta para 1.1 gramas ().

Exemplos:

Uma mulher com 70 quilos tem que tomar 56 gramas de proteína por dia (70 vezes 0.8 gramas).

Uma mulher grávida com 70 quilos teria que tomar 77 gramas de proteínas por dia (70 vezes 1.1 gramas).

Fonte: (ELANGO, BALL, 2016)

Porém, a necessidade de consumir mais micronutrientes como vitaminas e minerais aumenta muito mais do que macronutrientes. Vitaminas e minerais apoiam o desenvolvimento do feto e as mudanças do corpo da mulher em cada estágio da gravidez e são necessários para funções críticas como crescimento celular e sinalização celular. (GERNAND et al., 2016)

Algumas mulheres conseguem cumprir essas novas exigências nutricionais seguindo uma dieta bem planejada durante a gravidez, mas outras não. As razões que levam grávidas a tomar suplementos são várias, entre elas:

  • Restrições de dieta: mulheres que seguem algum tipo de dieta mais estrita, como a dieta vegana, ou que tem intolerância ou alergia a alguns tipos de alimentos (FOSTER et al., 2015) (NYARADI et al., 2013).
  • Deficiência nutricional: exames de sangue podem indicar a falta de certos nutrientes durante a gravidez e por isso as gestantes acabam tendo que tomar suplementos para corrigir essa deficiência. Resolver esse problema é importantíssimo. Uma deficiência de ácido fólico, por exemplo, por causar sérios problemas no bebê (SAFI, JOYEUX, CHALOUHI, 2012).
  • Hiperêmese gravídica: essa complicação causa náuseas e vômitos constantes que podem levar a perda de peso e a deficiência nutricional. A hiperêmese gravídica é tratada com suplementação de tiamina (vitamina B1) (KANTOR et al., 2014).
  • Fumar: mesmo os médicos repetindo exaustivamente que mulheres não podem fumar durante a gravidez, algumas não seguem essa recomendação crucial. Como consequência, fumar causa deficiência de certos nutrientes como vitamina C e ácido fólico (VARDAVAS et al, 2008).
  • Gravidez múltipla: mulheres grávidas de gêmeos, trigêmeos, etc, precisam de mais nutrientes que mulheres que estão esperando apenas um bebê. Neste caso, a suplementação é necessária para garantir que tanto a mãe quanto os bebês tenham todos os nutrientes necessários para manter-se saudáveis.
  • Mutações genéticas: grávidas com algum tipo de mutação genética como a MTHFR podem ser obrigadas a tomar suplementação para evitar problemas durante a gravidez (GREENBERG et al, 2011).
  • Dieta pobre: é a causa mais comum. Gestantes que comem muito pouco ou que comem mal, consumindo alimentos de má qualidade nutriocional (fast-foods, doces, refrigerantes) acabam precisam tomar suplementos durante a gravidez para resolver esse problema.

Por essas razões, as mulheres grávidas acabam tendo que tomar suplementos. Porém, não custa nada lembrar mais uma vez, só tome suplementos se o seu médico recomendar.

Suplementos seguros para tomar durante a gravidez

Nesta seção, iremos listar suplementos que são seguros e que podem tomar durante a gravidez. A maioria do suplementos aqui listados são recomendados pelos médicos assim que você inicia o pré-natal.

Lembrando que é importantíssimo tomar suplementos que sejam de qualidade, confiáveis. Infelizmente, falsificações de suplementos não são raras e mesmo havendo orgãos públicos responsáveis por garantir que isso não ocorra, como a Anvisa, ainda assim, muitos produtos de má qualidade acabam chegando até o consumidor. Por isso, abra bem o olho antes de comprar e evite produtos de qualidade duvidosa.

Multivitamínico pré-natal:

Os multivitamínicos pré-natais são suplementos criados especificamente para grávidas. Eles tem quantidades extras de micronutrientes para garantir que as futuras mamães tenham tudo que precisam para ter uma gravidez sem complicações.

Estudos mostraram que tomar um suplemento multivitamínico pré-natal reduz os riscos de um nascimento prematuro (CATOV et al., 2011) e também da gestante sofrer com um disturbio chamado pré-eclâmpsia (BODBAR et al., 2006).

Ácido fólico

O ácido fólico, também chamado de vitamina B9, é importantíssimo durante a gravidez, já que ele desempenha um papel importante no crescimento e desenvolvimento fetal (MOLLOY et al. 2008).

O ácido fólico pode ser obtido através da dieta (vegetais como brócolis, lentilhas, aspargo e espinafre são ricos em ácido fólico), porém mulheres que não seguem uma dieta equilibrada acabam tendo que recorrer a suplementação para evitar deficiência deste nutriente essencial.

É recomendado que mulheres tomem 600 ug de ácido fólico por dia para evitar que os bebês nasçam com defeitos de tubo neural como espinha bífida e anencefalia e problemas congênicos como fissura labiopalatal, além de problemas cardíacos (DE-REGIL et al., 2010).

[caption id="attachment_1521" align="aligncenter" width="750"]vitamina b9 folato cido folico qual e o melhor O brócolis é uma boa fonte de ácido fólico[/caption]

Vitamina D

A vitamina D é uma vitamina importante para a divisão celular, saúde óssea e função imune.

A deficiência de vitamina D durante a gravidez pode causar pré-eclâmpsia, parto prematuro e diabetes gestacional. A dose recomendada de vitamina D é de 600 IU por dia para mulheres grávidas (MITHAL, KALRA, 2014).

Ferro

O ferro tem um importante papel no crescimento e desevolvimento do feto e da placenta durante a gravidez.

A necessidade por ferro aumenta durante a gestação, já que durante a gravidez o volume de sangue na mulher aumenta em quase 50%. A deficiência de ferro (anemia) durante a gravidez pode causar parto prematuro, depressão pós-parto e anemia na criança (ALLEN, 2000) (GOSHTASEBU, ALIZADEH & GANDEVANI, 2013).

A dose recomendada é de 29 mg de ferro por dia para mulheres grávidas. Os multivitamínicos pré-natais já tem essa quantidade de ferro em sua composição, porém mulheres com deficiência em ferro ou anemia precisam tomar doses maiores de ferro preescritas pelo médico.

Mulheres que não tem  deficiência de ferro devem evitar tomar mais que a quantidade recomendada, pois excesso no consumo de ferro pode gerar efeitos colaterais, tais como constipação, vômitos e níveis de hemoglobina anormalmente altos (PENA-ROSAS, DE-REGIL & DOWSWELL, 2015).

Magnésio

O magnésio é um mineral involvido em centenas de reações químicas em nosso corpo, desempenha funções vitais nos sistemas imune, muscular e nervoso.

A deficiência de magnésio durante a gestação aumentam os riscos da grávida desenvolver pré-eclâmpsia, hipertensão crônica e parto prematuro. A suplementação de magnésio diminuem os riscos de pré-eclâmpsia, problemas de crescimento do feto e nascimento prematuro (ZAREAN, TARJAN, 2017).

Gengibre

O suplemento de gengibre é usado principalmente para tratar náuseas da cinetose, gravidez e quimioterapia. Vômitos durante a gravidez são um muito comuns e segundo um estudo publicado na Database of Abstracts of Reviews of Effects (DARE), o gengibre é seguro e efetivo para tratar a náusea e o vômito causados pela gravidez.

Porém, é importante frisar que não há pesquisas feitas que avaliam qual a máxima dosagem de gengibre que uma grávida pode tomar sem sofrer efeitos colaterais. Por isso, é importante não exagerar no consumo de suplementos de gengibre e consultar um médico antes de usá-lo.

[caption id="attachment_1522" align="aligncenter" width="800"]gengibre O gengibre pode ser usado para resolver o problema das náuseas e vômitos durante a gravidez[/caption]

Óleo de peixe

Óleo de peixe contém DHA e EPA, dois ácidos graxos importantes para o desenvolvimento adequado do feto. Um estudo mostrou que o óleo de peixe diminui as chances de um parto prematuro e alguns evidências sugerem que ele pode auxiliar no desenvolvimento dos olhos do feto (GREENBERG, BELL & AUSDA, 2008).

Seu uso é considerado seguro, porém ainda não há um consenso se tomar esse suplemento de óleo de peixe durante a gravidez seja realmente necessário.

Probióticos

Probióticos são um nome comum dado a uma série variada de bactérias que beneficiam nosso sistema digestivo. O uso de probióticos é seguro durante a gravidez e o risco de efeitos colaterais são bem baixos (ELIAS, BOZZO & EINARSON, 2011).

Estudos realizados até o momento sugerem que probióticos podem reduzir os riscos de  diabetes gestacional, depressão pós-parto, eczemas no bebê e dermatite (1, 23, 4). Porém, é sempre bom frisar, essas são apenas pesquisas iniciais envolvendo probióticos na gravidez. Para entendermos melhor suas vantagens e desvantagens, precisamos de mais estudos sérios sobre o assunto.

Suplementos para evitar durante a gravidez

Apesar do corpo da mulher precisar de mais macro e micronutrientes durante a gravidez, nem tudo é bem vindo. Certos micronutrientes, principalmente quando tomados em excesso, podem prejudicar muito mais do ajudar. Esta uma lista de suplementos que você deve evitar durante a gestação.

Vitamina A

A vitamina A é extremamente importante para o desenvolvimento da visão do feto e também para o sistema imune. Porém, excesso de vitamina A pode ser perigosa.

A vitamina A é solúvel em gordura e quando há mais do que o necessário no corpo, ela é armazenada no fígado. Excesso de vitamina A pode causar danos ao fígado e provocar doenças congênitas em bebês (1).

Através da dieta e de um multivitamínico pré-natal tanto a grávida quanto o bebê devem ter toda a vitamina A que ela precisa. Tomar um suplemento adicional de vitamina A não é necessário nem recomendado.

Vitamina E

A vitamina E é outra vitamina que é recomendado que grávidas não usem. Suplementar a dieta com vitamina E não mostrou nenhuma vantagem nem para a mãe e nem para o bebê e pode, ao contrário, causar problemas. O uso de suplementos de vitamina E durante a gravidez pode causar dores abdominais e ruptura prematura do saco amniótico (1).

Ou seja, se você está grávida, não tome suplementos de vitamina E a menos que o seu médico recomende.

Erva-de-São-Cristóvão

Se você procurar pelo nome desta erva agora no Google, você irá achar nos primeiros resultados um site falando que a erva-de-São-Cristóvão é um aliado das mulheres e que facilitar partos. Essa informação é falsa.

Suplementos ou chá dessa erva não são seguros para tomar durante a gravidez, já que ela poderia causar contração no útero e induzir a um parto prematuro (DUGOUA, 2006). Um outro estudo mostrou que ela passou causar problemas nos rins de algumas pessoas.

Ou seja, a erva-de-São-Cristóvão deve ser evitada durante a gestação.

[caption id="attachment_1523" align="aligncenter" width="600"]erva-de-são-cristóvão black cohosh Um suplemento de erva-de-são-cristóvão (black cohosh)[/caption]

Hydrastis canadensis

A Hydrastis canadensis é uma erva usada como suplemento para tratar infecções respiratórias e diarreia, mas não há estudo que confirmem se essa planta é segura e eficaz.

A Hydrastis canadensis contém a substância berberina, que piora os sintomas da icterícia em crianças. A icterícia pode levar a uma condição chamada kernicterus, um tipo muito raro de dano cerebral que pode ser fatal (1).

Ou seja, se você está grávida, fique longe de qualquer suplemento que possa conter berberina.

Dong quai

É outra erva medicinal milagrosa que promete uma série de benefícios como aliviar a tensão, curar anemia e previnir alergias. Mas nenhum desses benefícios é comprovado cientificamente.

Grávidas devem evitar o dong quai porque ele pode estimular constrações uterinas, aumentando os riscos de um aborto (1).

Yohimbe

O yohimbe é outra maravilha que promete tudo: aumentar o desejo sexual, facilitar ganho de massa muscular e queimar gorduras. Mas como ocorre com outras plantas milagrosas que aparecem no mercado, os benefícios que o yohimbe pode proporcionar à nossa saúde são exagerados.

Mulheres grávidas não podem usar yohimbe durante a gestação pois ela possui perigosos efeitos colaterais como pressão alta, ataques cardíacos e convulsões (1).

Outros suplementos de ervas para evitar durante a gravidez

Neste ponto você já deve ter percebido que alguns plantas podem ser extremamente prejudiciais durante a gravidez. Para facilitar sua vida, vamos mais 10 ervas que não devem ser tomadas durante a gestação:

  • Saw palmetto (Serenoa repens)
  • Catinga-de-mulata
  • Red clover / Trevo vermelho (Trifolium pratense)
  • Angélica
  • Milefólio
  • Absinto (Artemisia absinthium)
  • Cohosh Azul
  • Poejo (Mentha pulegium)
  • Ephedra
  • Flor-de-são-joão (Artemisia vulgaris)

Conclusão

Como foi mostrado neste artigo, a gravidez é um processo que exige muito do corpo da mulher. Elas acabam pnecessitando de mais micro e macronutrientes para garantir que tanto a gestante quanto o futuro bebê tenham a seu dispor todos os nutrientes necessários para que o processo sem complicações.

Mas, como foi mostrado, alguns suplementos ajudam muito, mas outros devem ser evitados para evitar problemas sérios durante esse período. Esperamos que esse post tenha sido útil e que suas dúvidas tenham sido solucionadas.

Ômega 3 : Conheça os benefícios e as principais fontes

O ômega 3 é importante para a nossa saúde e para a nossa qualidade de vida.

Este artigo irá reunir as principais informações sobre o ômega 3.

O que é

Conhecido como ácido linolênico, o ômega-3 é um tipo de gordura poli-insaturada que causa muitos benefícios para a saúde. Ele é um dos componentes essências para o corpo, ou seja, o corpo não produz, por sua vez deve ser adquirida através de uma dieta equilibrada ou de suplementação. Os ácidos graxos (as gorduras) são fontes importantes de energia para o nosso organismo, além de dar sabor aos alimentos são essenciais para absorção no intestino de outras vitaminas lipossolúveis, tais como, vitamina A, vitamina D, vitamina E, vitamina K.

Além de ser um ácido graxo essencial para o organismo, a partir do consumo de ômega 3, ocorre no organismo a biossíntese dos ácidos graxos, conhecidos como EPA (eicopentaenoico) e DHA (docosahexaenóico) que, apesar de serem muito parecidos, suas estruturas exercem diferentes funções  e são  muito importantes para o organismo. O EPA está ligado principalmente com a saúde cardiovascular, já o DHA é visto como um fator para o desenvolvimento do sistema cerebral e visual. E existe a biossíntese do tipo ALA (alfa-linolênico), este de origem vegetal também não pode ser produzida pelo corpo, sendo necessária a ingestão por alimentos.

Para que serve ômega 3

O ômega 3 contribui para a formação da bainha mielina, um componente que forma os neurônios e no revestimento da retina ocular, parte esta que tem a função de modificar o estímulo luminoso em estímulo elétrico para o cérebro que realiza o processo de visão. Além disso, ele protege nosso corpo de doenças cardiovasculares, mas como ele é fonte de gordura, o consumo em excesso pode engordar pois, a cada 1 g de gordura equivale a 9 KCAL.

Porém, quando utilizado de forma adequada e sob orientação médica, pode auxiliar na perda de peso. Além de ser um ótimo aliado ao funcionamento adequado do cérebro, melhorando a memória e o raciocínio, ajuda na prevenção de doenças do coração e previne também alguns tipos de câncer.

Para obter todos os benefícios do ômega 3 é necessário uma avaliação nutricional. Por isso, deve-se procurar um médico ou nutricionista, para averiguar  se a alimentação está suprindo a dose diária ou se há realmente a necessidade de fazer o uso da suplementação.

Benefícios do ômega 3

Os benefícios que o ômega 3 pode proporcionar à saúde são diversos:

  • Têm ação antiinflamatória
  • Fortalece o sistema imunológico
  • Deixa a pele mais saudável
  • Auxilia o controle da pressão arterial
  • Tem efeito antitrombótico, inibe a agregação plaquetária, além de estimular a vasodilatação
  • Promove a saúde cardiovascular
  • Protege a retina
  • Melhora o desempenho cognitivo
  • Auxilia no tratamento da depressão
  • Reduz os níveis de colesterol e triglicerídeos do sangue
  • Contribui para o controle da diabetes
  • Controle da obesidade

Alimentos ricos em ômega 3

Alguns alimentos são ricos em ômega 3, e o consumo ajuda a manter o seu corpo saúdavel e também adquire os benefícios do produto sem precisar de suplementação. Os alimentos com maior concentração de ômega 3 são:

  • Sardinha;
  • Salmão;
  • Atum;
  • Semente de chia;
  • Semente de linhaça;
  • Nozes;
  • Algas marinhas;
  • Brócolis;
  • Couve de Bruxelas;
  • Couve flor;
  • Espinafre.

A recomendação diária de consumo de peixes é de 100g por dia, já os demais alimentos são de 28g por dia.

Ajuda a emagrecer?

O ômega 3 regula os níveis de leptina no organismo, que acaba melhorando o apetite e ajuda no controle da insulina. Com a insulina e a leptina controladas o resultado é perda de peso.

Gravidez e o ômega 3

A recomendação de consumo durante a gravidez poderá ser necessária, isso porque, melhora o desenvolvimento neurológico do feto e em bebês prematuros. O óleo é essencial para o desenvolvimento das capacidades cognitivas. Geralmente, os médicos prescrevem o ômega 3 em forma de suplementação, quando se percebe alguns sintomas na gestante, como:

  • Inflamações nos tendões;
  • Lesões na pele;
  • Depressão.

Pode ser ingerido durante a fase da amamentação, para suprir algumas necessidades da mãe e do bebê. Nesses casos específicos tanto na gravidez, quanto na lactação, recomenda-se de 1 a 3 g por dia.

Como tomar

Em cápsulas;

2 cápsulas de 200 a 300 mg por dia de ômega 3 por dia, junto com as refeições.

Lembrando que existem suplementos com doses maiores que essas, por isso, procure um médico para que as doses sejam adaptadas conforme as suas necessidades.

Composição

O ômega 3 é composto apenas de óleo de peixe.

Contra indicação

  • Pessoas que possuem alergia a peixes e crustáceos não podem ingerir.
  • Pessoas com problemas de coagulação ou que fazem uso de medicamentos anticoagulantes, também não devem ingerir o ômega 3, já que ao ingeri-lo a agregação plaquetária diminui, podendo causar sangramento e hematomas.

Como saber se o ômega 3 que estou tomando é puro?

Existe no mercado diversas marcas do produto, mas sempre temos dúvida qual marca é confiável. Devido está dúvida, alguns profissionais de saúde orientam a fazer um teste, que envolve a sua geladeira.

O teste é muito simples, pegue uma das cápsulas e coloque no freezer e deixe de 4 á 6 horas. Após este período fure a cápsula para ver se o conteúdo dela continua líquido, se o produto congelar o ômega 3 não é 100% puro. Tenha atenção também para produtos com o custo muito baixo, um ômega 3 de boa qualidade não custa menos de R$:50,00 reais.

 

Biotina: Para que serve, benefícios e quando tomar

A biotina é uma vitamina que deve ser obtida diariamente através da alimentação. Por ser hidrossolúvel, ou seja, dissolvida em água, nosso corpo não consegue armazená-la. Assim, necessitando, de uma boa alimentação para manter a quantidade adequada em nosso corpo.

Como outras vitaminas do complexo B, a biotina ajuda no metabolismo das proteínas, gorduras e carboidratos, transformando esses nutrientes em energia ao nosso corpo. Ela é uma vitamina essencial para pessoas que praticam atividades físicas.

Confira as principais informações sobre essa vitamina que é importante para a nossa saúde e beleza.

O que é

A biotina é uma vitamina do complexo B (também chamada vitamina B7) encontrada em muitos alimentos. Ela ajuda a transformar os carboidratos, gorduras e proteínas nos alimentos que você ingere em energia de o seu corpo precisa.

Benefícios

A biotina serve para auxilar e manter saudável várias funções do nosso organismo. Confira alguns dos principais benefícios que ela possui.

  1. Mantém a pele, unhas e cabelos saudáveis – Quando nosso organismo é deficiente desta vitamina, alguns sintomas indesejados podem se manifestar visivelmente em nossa pele, unhas e cabelos.  Unhas quebradiças e cabelos fracos serão os sintomas mais comuns.
  2. Auxilia na absorção dos nutrientes – A biotina, em conjunto com as outras vitaminas do complexo B, desempenham um importante papel em converter os alimentos em fontes de energia.
  3. Equilibra o açúcar do sangue – As vitaminas do complexo B facilitam a produção de insulina, que é um hormônio responsável pela redução da taxa de glicose no sangue.
  4. Níveis de colesterol e triglicerídeos controlados – Quando presentes em nosso organismo em níveis adequados, ela auxilia no controle do nível de colesterol e triglicerídeos.
  5. Repara os tecidos – Ajuda no crescimento e manutenção dos tecidos musculares. Também é fundamental para o crescimento e desenvolvimento da medula óssea (onde praticamente todas as células do sangue são produzidas).
  6. Apoia a função da tireóide – A biotina é importante para o adequado funcionamento da glândula tireóide. A glândula tireóide é responsável por regular a fome, o sono, nossa energia e até mesmo nossas dores.

Alimentos ricos em biotina

Para manter os níveis de suplementação desta vitamina é necessário de uma boa alimentação. Confira alguns alimentos ricos em biotina:

  • Ovo: uma unidade contém em média de 12 a 35 mcg
  • Fígado: 100 g de fígado cozido contém aproximadamente 37,7 a 41 mcg
  • Amendoim: 100 g de amendoim possui cerca de 38 mcg
  • Nozes: 100 g de nozes contém cerca de 39 mcg
  • Salmão: 100 g de salmão cozido possui entre 5 a 6 mcg
  • Banana: em uma unidade é possível encontrar cerca de 120 mcg
  • Abacate: uma unidade contém de 3 a 7 mcg

A biotina deve ser adquirida através de uma alimentação saudável. A deficiência desta vitamina é muito rara e geralmente ocorre em pessoas que estão hospitalizadas ou que possuem alguma doença grave.

Deficiência de biotina

A deficiência de biotina é um fenômeno raro nos dias atuais. Pessoas que seguem uma dieta quilibrada e saudável não terão dificuldade em obter biotina suficiente. Porém existem outros fatores que podem ser a causa de uma deficiência que não esta diretamente ligado à dieta.

Uma pessoa que esteja precisando consumir mais biotina em sua dieta pode apresentar os seguintes sintomas:

Erupções cutâneas na pele Queda capilar Olhos secos
Náusea Fadiga Insônia
Perde de apetite Depressão Convulsões
Dificuldade de andar Rachaduras na boca Sensação de queimação ou formigamento nos mãos e boca
Cabelos quebradiços Acidúria Conjutivite

Fonte: #1

Causas da deficiência de biotina

O principal motivo da coisa de deficiência de biotina é uma dieta pobre. Porém, outros motivos podem estar causando esta deficiência, entre eles, estão:

  • Medicamentos: antibióticos e anti-convulsivos podem ser o motivo da deficiência. Eles podem dificultar a absorvição de nutrientes pelo corpo. Alguns antibióticos podem matar bactérias boas que vivem em nosso estômago que produzem biotina naturalmente.
  • Alimentação intravenosa: pessoas que se alimentam vua intravenosa ou tubos podem sofrer com deficiência de certas vitaminas. Tomar suplementos até que a pessoa volte a se alimentar de alimentos sólidos pode resolver o problema.
  • Problemas intestinais: algumas doenças intestinais como doença de Crohn e colite podem ser causar deficiência.
  • Deficiência de biotinidase: é uma doença metabólica rara que pode ser o motivo da deficiência.
  • Distúrbios genéticos: alguns distúrbios genéticos como a deficiência de holocarboxilase sintetase, deficiência de transporte de biotina e fenilcetonúria podem levar a uma deficiência de biotina.

Como tomar

Você deve obter a biotina que você precise através da alimentação. Suplementos podem ser usados caso você não consiga ingerir os valores diários recomendados.

A quantidade de biotina que uma pessoa deve consumir vai depender muita da idade. Abaixo, fizemos uma tabela que mostra os valores diários recomendados.

Faixa etária Dose diária recomendada
Crianças com até 6 meses de idade 5 mcg
Crianças entre 6 e 12 meses de idade 6 mcg
Crianças entre 1 e 3 anos de idade 8 mcg
Crianças entre 4 e 8 anos de idade 12 mcg
Crianças entre 9 e 13 anos de idade 20 mcg
Adolescentes com idade entre 14 e 18 anos 25 mcg
Adultos com 19 anos ou mais 30 mcg
Mulheres grávidas 30 mcg
Mulheres amamentando 35 mcg

Fonte: #1

Conclusão

A biotina é uma vitamina importante para o nosso corpo. Ela é essencial para os nossos cabelos e unhas, além de ajudar nosso organismo de outras maneiras.

A vitamina B7 (o outro nome dela) pode ser obtida através do consumo de alimentos como bananas, fígados e ovos ou através de suplementação. Esquecer de incluir alimentos com biotina na sua dieta poderia causar alguns transtornos na saúde e por isso, seu consumo é mais do que recomendado.

Se você gostou deste post ou quer perguntar algo, comente na área de comentários logo abaixo.

Óleo de coco: 10 benefícios segundo a ciência

O óleo de coco tem se tornado cada vez mais popular, substituindo outros tipos de óleos menos saudáveis. As razões para esse sucesso são várias.

O óleo de coco possui uma combinação única de ácidos graxos que afetam positivamente nossa saúde. Auxílio na queima de gordura e melhoramento da capacidade cerebral são apenas alguns dos benefícios que esse óleo poderoso fornece.

Neste artigo, listaremos os 10 principais benefícios do óleo de coco de acordo com os estudos científicos.

beneficios oleo de coco segundo a ciencia

1. Contém ácidos graxos com potenciais propriedades medicinais

O óleo de coco é rico em gorduras saturadas saudáveis que aumentam a queima de gorduras e que são uma fonte de energia rápida para o seu corpo e cérebro. Elas também aumentam a concentração do colesterol HDL (o “colesterol bom”) no seu sangue, que ajudam a reduzir o risco de problemas cardíacos.

A maior parte das gorduras de nossa dieta são triglicerídeos de cadeia longa, enquanto que as gorduras encontradas no óleo de coco são triglicerídeos de cadeia média (MCT). Quando você consome MCTs, elas vão direto para o seu fígado e são transformadas em fontes rápidas de energia ou transformadas em corpos cetônicos. Os corpos cetônicos trazem diversos benefícios a saúde, principalmente ao cérebro, sendo inclusive usado para tratar outras doenças tais como epilepsia e Alzheimer (1).

Em outras palavras, as gorduras encontradas no óleo do coco são gorduras boas que comprovadamente trazem diversos benefícios a sua saúde.

2. Óleo de coco aumenta a queima de gorduras

A obesidade é um problema de saúde pública que vem crescendo a níveis alarmante em todo o mundo. A causa desse problema não é só o consumo exagerado de comida, mas também a qualidade dos alimentos que são consumidos. Diferentes alimentos afetam nosso corpo e hormônios de maneiras diferentes. Consumir nutrientes mais saudáveis é o primeiro passo para resolver esse problema.

As gorduras (MCT) encontradas no óleo de coco são mais saudáveis que outros tipos de gorduras e podem aumentar a queima de gorduras em nosso organismo (2).

Um estudo mostrou que consumir de 15 a 30 gramas de MCTs por dia aumenta a queima de calorias em 5%, totalizando cerca de 120 calorias por dia (3).

Ou seja, se você deseja emagrecer, substitua gorduras menos saudáveis por outras mais saudáveis, como as MCTs encontradas no óleo de coco.

[caption id="attachment_1489" align="aligncenter" width="750"]oleo de coco e suplementos MCT Óleo de coco e suplementos de MCT[/caption]

3. Quem consome é mais saudável

O uso do óleo de coco não é muito usado em nossas cozinhas principalmente devido ao seu alto preço, mas em algumas partes do mundo o coco é uma parte essencial da dieta de alguns povos.

O melhor é exemplo disso é a população de Tokelau, um arquipélago localizado na Polinésia, no Oceano Pacífico. Mais de 60% de todas as calorias consumidas pelos habitantes desse arquipélago advém do consumo de coco.

Um estudo mostrou que eles possuem saúde excelente e os problemas cardíacos no arquipélago são muito baixos (4). Outro exemplo de povo que consome muito coco e que estão em excelente saúde são os habitantes de Kitava, uma ilha localizada próxima a Papau Nova Guiné, na Oceania (5).

Ou seja, como já foi mostrado no tópico anterior, se você quer ficar mais saudável, consuma de alimentos que possuam nutrientes de ótimo qualidade.

4. Mata patogênicos perigosos

Por volta de 50% dos ácidos graxos encontrados no óleo de coco são compostos de ácido dodecanoico. Quando o ácido dodecanoico é digerido, ele forma uma substância chamada monolaurin.

Tanto o monolaurin quanto o ácido dodecanoico podem matar agentes patogênicos como bactérias, vírus e fungos (6). Exemplos de patogênicos que podem ser matados pelo ácido dodecanoico e pela monolaurin são a bactéria Staphylococcus aureus e o fungo Candida albicans, ambos muito perigosos (78).

5. Diminui a fome

Um interessante efeito das gorduras encontradas no óleo de coco é redução da vontade de comer. Como vimos no primeiro tópico deste artigo, as MCTs – gorduras encontrados no óleo de coco – podem ser usadas pelo corpo como forma de energia rápida ou transformadas em corpos cetônicos. Esta inibição da fome está relacionada aos corpos cetônicos, já que eles atuam diminuindo nosso apetite (9).

Um estudo com vários homens mostrou que aqueles que ingeriram mais MCTs que os outros, consumiram, em média, 256 calorias a menos por dia (10). Um outro estudo com 14 homens mostrou que comer alimentos ricos em MCTs (ou suplementos de MCT) no café da manhã diminui a quantidade de calorias que são consumidas no almoço (11).

Ou seja, segundo esses estudos, as gorduras MCTs encontradas no óleo de coco ajudam a inibir a fome.

6. Pode reduzir convulsões

Esse aumento de corpos cetônicos pode colocar o corpo em Cetose é um estado metabólico onde a principal fonte de energia usada pelo corpo são os corpos cetônicos. Colocar o corpo em cetose é o que as pessoas querem quando elas fazem a dieta cetogênica, que é um tipo de dieta caracterizada pelo alto consumido de gorduras e proteínas e quase total ausência de carboidratos.

Crianças que possuem algum tipo de resistência a medicamentos para tratar epilepsia são tratadas usando a dieta cetogênica. Essa dieta reduz dramaticamente a quantidade de convulsões em crianças epilépticas (12).

Como vimos, as gorduras encontradas no óleo de coco vão direto para o fígado e lá elas podem ser transformadas em corpos cetônicos. Ou seja, graças ao MCTs encontrados no óleo do coco, ataques epilépticos e outros tipos de convulsões podem ser reduzidos (1314).

7. Regula o seu colesterol

As gorduras saturadas encontradas no óleo de coco trazem o duplo benefício de aumentar a quantidade do “colesterol bom” HDL no seu sangue ao menos tempo que transforma o “colesterol ruim” LDL em uma forma menos perigosa.

Um estudo com 40 mulheres mostrou que usar de óleo de coco diminui a quantidade total de colesterol LDL (o ruim) enquanto aumenta a do colesterol HDL (o bom) quanto comparado com o óleo de soja (15).

Um outro estudo com 116 pacientes mostrou que o óleo de coco aumentou a quantidade do colesterol HDL (o bom) (16).

Ou seja, substituir um óleo menos saudável como o óleo de soja por um outro mais saudável como o óleo de coco pode trazer ótimos benefícios a sua saúde.

8. Pode proteger seus cabelos, sua pele e seus dentes

Esse óleo pode ser usado de outras maneiras além da comido. Algumas pessoas estão usando o óleo de coco para melhorar a saúde da pele e do cabelo.

Um estudo com pessoas com pele seca mostrou o óleo de coco pode melhorar a hidratação da pele. Além disso, ele também pode reduzir os sintomas de várias eczemas (1718). Na falta de uma opção melhor, ele pode ser usado até como um protetor solar, já que o óleo de coco bloqueia até 20% dos raios ultravioletas (1920).

O óleo de coco também pode ser usado como enxaguante bucal, já que ele pode matar algumas bactérias perigosas da sua boca, melhorar sua saúde dentária e reduzir mau hálito (212223).

9. Gorduras do óleo de coco podem ser usadas para tratar pessoas com Alzheimer

A doença de Alzheimer é causa mais comum de demência, afetando principalmente idosos. Pacientes com Alzheimer parecem ter dificultade em usar glicose como fonte de energia em certas partes do cérebros e por essa razão, algumas pesquisadores especularam que colocar os pacientes em cetose pode ajudar a combater alguns sintomas da doença de Alzheimer (24).

Um estudo de 2006 mostrou que a consumo de MCTs, como os são encontrados no óleo de coco, melhorou o funcionamento cerebral de pacientes com Alzheimer (25).

Ou seja, teoricamente, MCTs poderiam tratar alguns sintomas da doença, mas os estudos nessa área estão apenas começando e não há evidências para afirmar que o óleo de coco acaba com o Alzheimer.

[caption id="attachment_1490" align="aligncenter" width="728"]Óleo de palmiste O óleo de palmiste também é rico em MCT, mas não tanto quanto o óleo de coco[/caption]

10. Ajuda a queimar gorduras abdominais

No tópico dois já falamos que o óleo de coco queima gorduras e portanto, pode te ajudar a perder peso e emagrecer. Mas além de te deixar mais magro, o óleo de coco também pode ajudar você a se livrar do tipo mais chato de gorduras: aquelas que se acumulam na sua barriga.

Um estudo com 40 mulheres com gordura abdominal que tomaram 30 mL de óleo de coco por dia por 12 semanas mostrou que elas sofreram uma significante redução tanto na circunferência da cintura quanto no índice de massa corporal (15).

Outro estudo com 20 homens obesos mostrou que eles perderam 2.86 cm de cintura após tomarem 30mL de óleo de coco por dia por 4 semanas (26).

Ou seja, substituir o óleo de soja, menos saudável, pelo óleo de coco, mais saudável, é o primeiro passo para você que quer perder a gordura abdominal e secar a barriga.

Conclusão

O óleo de coco traz muitos benefícios à nossa saúde, graças principalmente aos triglicerídeos de cadeia média (MCTs), que são gorduras de excelente qualidade encontrados neste fruto.

O primeiro passo para você que busca melhorar a sua qualidade de vida e saúde geral é substituir as gorduras de péssima qualidade encontrada principalmente em alimentos industrializados por gorduras mais saudáveis como as encontradas no óleo de coco.

Porém, antes de comprar óleo de coco, certifique-se que você está comprando uma versão natural desse óleo, ou seja, uma versão que não seja refinada. O óleo de coco natural é muito mais saudável que a versão refinada.

Whey isolado, concentrado e hidrolisado: diferença entre os tipos de proteína

Quando se trata de suplementação, um dos produtos mais conhecidos do mercado é o Whey Protein. Basicamente, o Whey Protein nada mais é do que a proteína do soro do leite, a qual é obtida no processo de conversão do leite em queijo. Isso faz com que os Diferentes tipos de Whey apresentem vantagens maiores do que outras fontes de proteínas para o seu organismo.

Isso porque o Whey Protein apresenta um valor biológico maior, chegando perto dos 100. Isso é muito próximo ao obtido em alimentos de excelente qualidade. Ou seja, é um dos suplementos proteicos com maior qualidade disponível no mercado.

Porém, muitas pessoas têm dificuldades em entender os diferentes tipos de whey protein. Aliás, é fundamental compreender tais diferenças, pois o efeito de cada um deles acaba sendo diferente.

Tipos de whey protein, entenda de uma vez por todas cada um deles!

O fato de o whey protein ter diferentes tipos, é por que ao ser obtido do soro do leite, ele ainda apresenta um alto teor de água, algo que gira em torno de 93% a 95% e apenas 0,7% a 1,2% de proteínas.

Com isso, é necessário que a substância seja submetida ao processo de microfiltração e de ultrafiltração. Procedimentos estes que são realizados por meio da precipitação por ácidos ou bases, com troca iônica ou separação por membranas.

O resultado destes procedimentos é uma maior concentração de proteínas, o que faz com que possam existir 3 diferentes tipos de whey.

Whey Protein Concentrado

[caption id="attachment_1467" align="aligncenter" width="750"]whey protein probiotica concentrado Whey concentrado da Probiótica[/caption]

O Whey Protein Concentrado é no geral, o mais barato. Isso não reduz sua qualidade, apenas tem particularidades que precisam ser entendidas. O Whey concentrado é a opção mais viável para quem quer gastar pouco.

O whey concentrado ter a sua fabricação mais barata, tendo em conta que este tipo de suplemento passa apenas pelo procedimento leve de filtragem.

Este procedimento resulta em um suplemento que apresenta cerca de 70% a 80% de proteínas, tendo o restante dividido entre carboidratos e gorduras.

Mesmo assim, o whey protein concentrado ainda apresenta uma alta concentração de glutamina e BCAA, além do fato de ter grande parte de suas fracções peptídicas mantidas, sendo que estas partículas são encarregadas de realizar diversas funções no corpo humano, além de aumentar a imunidade do mesmo através de suas ações antioxidantes.

Ele é bastante indicado para quem quer usar o suplemento apenas como pós-treino ou então, está em fase de crescimento muscular (bulking). Nestes casos, ele é altamente eficiente!

Whey Protein Isolado

[caption id="attachment_1465" align="aligncenter" width="900"]Whey Gold Standard isolado da Optimum Nutrition Whey Gold Standard isolado da Optimum Nutrition[/caption]

Mais um dos diferentes tipos de Whey. Este tipo de suplemento proteico se destaca por apresentar uma concentração de proteínas muito superior quando comparado com o Whey concentrado.

Isso ocorre devido ao fato de o Whey Protein isolado ser submetido a um processo de filtragem maior, além de sofrer troca iônica. A composição deste tipo de Whey apresenta uma quantidade de proteínas que gira em torno de 95%, sendo que em algumas marcas o valor de carboidratos e de gorduras chega a ser zero.

Isso faz com que o Whey Protein Isolado seja uma escolha ideal para pessoas que estão fazendo dieta de redução calórica, tendo como principais intuitos emagrecer e a definição muscular.

Whey Protein Hidrolisado

[caption id="attachment_1468" align="aligncenter" width="750"]Top Whey 3W hidrolisada Max Titanium Top Whey 3W, whey hidrolisado da Max Titanium[/caption]

Este é o whey protein mais “puro”. Basicamente, o whey protein hidrolisado passa por uma minuciosa filtragem. Isso faz com que ele tenha partículas muito menores e com isso, tenha uma absorção muito mais rápida.

Isso acontece por que o whey protein hidrolisado passa por diversas filtragens que resultam em uma quebra de cadeias proteicas em fragmentos de peptídeos muito pequenos, o que ocasiona uma absorção muito mais rápida em seu corpo.

Qual o melhor tipo de Whey Protein?

Aqui entramos em um ponto muito importante. Como temos diferentes tipos de whey protein, com diferentes composições, cada um deles se enquadra melhor em um determinado contexto.

Para a hipertrofia

Este é um ponto complexo, pois a dieta para a hipertrofia tem muitas variáveis. No geral, se você se alimenta bem, não tem grandes tendências a engordar e busca no whey protein apenas um complemento, o concentrado é excelente.

Ele tem um bom custo benefício, oferece proteínas de alto valor biológico e seu custo é mais baixo.

Porém, se você dispõe de mais dinheiro para investir em suplementos, o hidrolisado acaba sendo o melhor. Afinal, a absorção dele é de praticamente 100% e acontece de forma muito rápida. Assim, você tem a certeza de que está ingerindo aminoácidos de grande qualidade e que estes, serão totalmente absorvidos.

Neste caso, você complementa a sua dieta com outros tipos de carboidratos. Na mesma lógica, o whey protein isolado também oferece uma boa quantidade de proteínas e uma pureza maior.

Desta forma, qualquer um dos tipos de whey protein é viável para a hipertrofia. Dependendo de sua condição financeira ou de como o restante da sua dieta é desenhada, podemos optar pelo mais viável.

Para o emagrecimento e definição muscular

Se para a hipertrofia, temos diversas possibilidades, para o emagrecimento ou busca pela definição muscular, isso não se enquadra.

O whey protein concentrado não é muito indicado para estes objetivos. Ele até pode ser ingerido, mas sua dieta precisa ser adaptada para isso.

Basicamente, o fato de ele conter uma concentração considerável de carboidratos pode comprometer seu processo de emagrecimento. No geral, para estas pessoas, indica-se a utilização do isolado ou do hidrolisado.

Como para o emagrecimento, indica-se a redução da ingestão de carboidratos, os tipos de whey mais indicados acabam sendo aqueles que não o tem em sua composição.

Além disso, com a elevada taxa de absorção, temos ainda uma otimização do metabolismo, que vai impactar no processo de emagrecimento.

Então o concentrado é proibido para quem quer emagrecer? Proibido não, mas menos indicado.

Para que você possa utilizá-lo, vai precisar ajustar sua dieta.

Estes são os principais tipos de whey protein. Cada um deles tem vantagens e desvantagens. Escolher o melhor tipo de whey, vai depender de suas necessidades e individualidades.

ZMA: Para que serve, benefícios, como tomar e efeitos colaterais

O ZMA é um suplemento que tem ganhado cada dia mais espaço entre os bodybuilders. Esse foi desenvolvido especialmente para as pessoas que estão em busca do corpo perfeito e de uma vida saudável, uma vez que dá mais energia e disposição para os treinos e ainda mantém o organismo equilibrado.

Muitos atletas de alta performance também têm feito uso deste suplemento devido aos benefícios obtidos por ele.

Acompanhe a seguir a composição, benefícios, para que serve, como tomar, efeitos colaterais, dentre outras informações sobre ZMA.

O que é

O ZMA é um produto utilizado na suplementação alimentar, composto por:

  • Aspartato monometionina de zinco;
  • Aspartato de magnésio;
  • Vitamina B6.

Esta combinação tem sido utilizada por atletas para a obtenção de um melhor rendimento durante os treinos e competições, construção de massa magra e produção hormonal.

[caption id="attachment_1477" align="aligncenter" width="750"]Suplemento ZMA ZMA Pro da Universal Nutrition[/caption]

Para que serve um suplemento ZMA

O ZMA é um suplemento serve para…

  • …pessoas desejam ganhar massa muscular, mas que possuem dificuldade;
  • …pessoas que possuem baixos níveis de testosterona;
  • …pessoas que sofrem com cãibras e dores musculares;
  • …pessoas que sofrem de insônia.

Esses são os 4 principais motivos que levam pessoas a tomar ZMA.

Benefícios do ZMA

São inúmeros os benefícios obtidos através da suplementação com este produto. Veja a seguir os principais deles.

  • Recuperação e construção muscular: isto porque, o zinco é um composto essencial para a síntese de proteínas, que por sua vez são as formadoras dos músculos;
  • Prevenção ao déficit de nutrientes: o ZMA é uma excelente fonte de zinco e magnésio, que muitas vezes se tornam deficitários na dieta das pessoas, comprometendo assim o bom funcionamento do organismo;
  • Melhoria no sistema imunológicoo zinco também atua na manutenção do sistema imune, tornando-o mais forte e, portanto, menos suscetível a doenças.
  • Aumento dos níveis de testosterona: A ingestão deste suplemento é capaz de aumentar os níveis de testosterona do organismo. Em um estudo realizado com jogadores de futebol, com a utilização de ZMA, o nível deste hormônio aumentou 30% em apenas oito semanas. Com o aumento do hormônio, a força dos homens submetidos a experiência, aumentou em 2,5 vezes.
  • Melhora na qualidade do sono: isto é possível devido à alta concentração de magnésio no ZMA. Estudos revelaram que este mineral é capaz de estender as fases 3 e 4 do sono, que são as que imprescindíveis para a qualidade do mesmo.
  • Regulação dos níveis dos hormônios da tireoide: para quem não sabe, os hormônios da tireoide estão intimamente ligados no processo de metabolismo do organismo. Sendo assim, a falta destes poderá comprometer a perda gordura. O ZMA, é capaz de manter estes hormônios em seus níveis ideais e assim, garantir o bom funcionamento do organismo.
  • Redução do catabolismo: isto é possível devido a concentração de zinco e magnésio contida no suplemento. O catabolismo é um processo indesejado para que busca a hipertrofia muscular, visto que, este permite a quebra do tecido muscular, e o que se deseja é exatamente o contrário.
  • Diminuição da retenção hídrica: sim, o ZMA possui ação diurética, devido a estabilização os níveis de magnésio e vitamina B6 do organismo, que são responsáveis pelo controle de líquidos nas vias linfáticas. Este benefício tem chamado bastante a atenção das mulheres que fazem uso de anticoncepcional.

Como tomar

Suplementos ZMA são vendidos em poptes que contém cápsulas. A dosagem recomendada é de 3 cápsulas para os homens e de 2 cápsulas para as mulheres.

Recomenda-se a ingestão meia hora antes de ir dormir.

As cápsulas deverão ser ingeridas preferencialmente de estômago vazio, a fim de garantir uma maior absorção dos nutrientes.

Cuidados

Não é recomendado a ingestão de ZMA junto com outros suplementos que contenham cálcio em sua composição. O cálcio dificulta a absorção do zinco, e este mineral é um dos responsáveis pelos benefícios do suplemento.

Durante a administração do ZMA deve-se evitar também o consumo de alimentos contendo leite e derivados, pois os mesmos também são fonte de cálcio.

O álcool e a nicotina são duas substâncias que diminuem a concentração de zinco do organismo. Sendo assim, se você resolver fazer uso deste suplemento, bebidas alcóolicas e cigarro deverão ser riscadas de sua lista de consumo. Isto será bom inclusive, para a adoção de uma vida mais saudável.

Efeitos colaterais

Se o suplemento for utilizado na dosagem recomendada, mencionada acima, não trará efeitos colaterais significativos ao organismo.

Entretanto, a utilização exagerada de ZMA poderá causar alguns problemas ao nosso organismo. Altas dosagens de ZMA poderão causar os seguintes efeitos colaterais:

  • Distúrbios no sono;
  • Diarreia;
  • Cãibras;
  • Náuseas;
  • Problemas neurológicos;
  • Carência de cobre;
  • Queda da imunidade;
  • Diminuição da quantidade do colesterol bom (HDL).
  • Aumento de mamas nos homens;
  • Aumento de pelos no corpo das mulheres.

Como sempre lembramos, é de extrema importância ingerir apenas a quantidade recomendada por um médico ou nutricionista ou pela caixa/pote/bula de um suplemento ZMA.

Contraindicações

O uso de ZMA é contraindicado para mulheres grávidas, lactantes e crianças. Para pessoas que possuem doenças crônicas, tais como hipertensão ou diabetes, a sua utilização deverá ser indicada e acompanhada por um médico.

ZMA é bom?

Sim, de maneira geral pode-se dizer que são muitos os benefícios obtidos através da suplementação com ZMA, sendo assim o seu uso é recomendado e viável.

No entanto, existe uma polêmica envolvendo o ZMA suplemento, a qual diz que estudos realizados com atletas que foram submetidos a suplementação com este produto não tiveram os resultados esperados. A partir desta notícia, muitas pessoas deixaram de utilizar o produto.

Toda suplementação é válida, as pessoas conseguem através desta obter os resultados mais rápidos, o que faz com que elas tenham mais ânimo e vontade de realizar seus treinos.

Entretanto vale mencionar que, os mesmos resultados poderão ser obtidos simplesmente através da adoção de uma dieta balanceada e de treinos frequentes. Isto é importante dizer para as pessoas que temem que os suplementos façam “mal” a sua saúde.

Independente de usar suplementos ou não, o importante é não esquecer de cuidar de seu corpo. Adote uma dieta equilibrada, busque praticar atividades físicas regularmente, tire sempre um tempo para estar junto de pessoas que gostam e que se importam com você e seja feliz.

Maltodextrina: o que é, como tomar e a eficácia deste suplemento

A maltodextrina é um suplemento que, se usado corretamente, pode ajudar muito no ganho de massa muscular. Neste artigo iremos apresentar as principais informações sobre a maltodextrina e como ela pode ajudar seu treino render.

Ao final da leitura, comente e deixe sua opinião sobre a maltodextrina e sobre as informações aqui colocadas.

O que é maltodextrina

Também conhecida como Malto Dextrin ou Malto, a maltodextrina é um carboidrato complexo, usado para manter os níveis de energia constante durante as atividades físicas dos atletas. É derivada de uma conversão do amido de milho, geralmente apresentado comercialmente em forma de um pó branco ou em gel.

A Maltodextrina ajuda na recuperação muscular após os exercícios, por isso é usada principalmente por frequentadores de academias. Alguns estudos comprovaram a eficácia da Malto com a associação de frutose, principalmente para o fornecimento de resistência física de corredores e triatletas.

Para que serve maltodextrina?

Em geral, ajuda a dar resistência física nas atividades de atletismo, aeróbica, musculação, corrida e qualquer outro esporte de alta intensidade e longa duração. Também atua na recuperação muscular e ajuda a manter os níveis de glicose, fator importantíssimo para quem pratica tais exercícios.

[caption id="attachment_1907" align="aligncenter" width="300"]Maltodextrin Body Size - IntegralMédica Pacote de 1 kg de Maltodextrin Body Size, fabricado pela IntegralMédica[/caption]

Tomar antes, durante ou depois do treino

Uma dúvida comum entre quem é iniciante e quer usar a maltodextrina é quando tomar. Tomo antes do treino? Tomo durante o treinamento? Ou tomo logo após o fim do treino? Que horário tomar vai demorar de pessoa para pessoa. Logo abaixo deixaremos informações para você se decidir qual poderia funcionar melhor com você:

Antes e durante o treino:

Ideal para praticantes de exercícios aeróbicos – Para quem pratica corrida, tênis, musculação, natação e outros esportes, a maltodextrina ajuda na resistência durantes essas atividades, pois sua absorção pelo organismo é gradativa e lenta, isso faz com que ela forneça energia durante a atividade física de alta resistência e de longa duração. Tudo por que ela vai liberando a glicose gradualmente no sangue. Uso indicado antes e durante a atividade.

Ideal para manter os níveis de glicose – Para um desportista, quando ele está em uma atividade física, uma queda de glicose pode ocasionar uma série de problemas, com confusão mental, vertigens e até mesmo desmaios. A maltodextrina ajuda a manter estável os níveis de glicose durante essas atividades.

Após o treino:

Para a prática musculação e exercícios resistidos – Para quem pratica esse tipo de exercício a maltodextrina ajuda na recuperação da fibra muscular, evita que as proteínas sejam usadas como fonte de energia, favorece na absorção da substância pelos músculos, contribuindo para uma melhor recuperação muscular devido aos desgastes ocasionados pelo esforço físico. Deve ser ingerido logo após a prática esportiva.

Como tomar?

A Maltodextrina deve ser consumida apenas em dias de treino, para que não haja superdosagem de carboidratos.

No mercado existem duas versões do carboidrato que é a forma em pó e a forma em gel.

A maltodextrina em gel está disponível em vários sabores e já vem pronta para o consumo. Muitos atletas acham mais viável essa versão, principalmente na hora do treino ou corrida, já que o produto pode ser carregado no bolso, porém muitos reclamam que pelo fato de o produto ser concentrado, deixa um sabor amargo na boca. Existem atletas que preferem tomar o gel com um pouco de água para diminuir a intensidade do sabor.

A versão pó é diluída em água e batida no liquidificador ou na coqueteleira. Existem vários sabores e até mesmo alguns mix de sabores.

A quantidade de maltodextrina a ser consumida varia de acordo com o peso de cada pessoa. Por esse motivo é bom consultar um profissional que ajudará na quantidade exata do produto e melhor forma de ingestão, contudo os valores indicados de forma geral são de uma a três colheres de sopa do produto diluído em 250 ml de água.

A maltodextrina pode ser ingerida com outros suplementos como o Whey Protein no pós-treino e junto também com a Creatina, BCAA ou Glutamina.

Como a Malto atua diretamente na glicemia. Ela eleva também a captação de aminoácidos e ácidos graxos. Quando associada com outros aminoácidos e minerais, aumenta os benefícios dessas substâncias no organismo, tornando os resultados eventualmente melhores.

Engorda?

Não! Quando usada na dosagem e horário correto. A maltodextrina além de ajudar a aumentar a performance dos exercícios, também ajuda na perda da gordura, pois gasta mais energia e contribui para o aumento da massa magra.

Como a Malto é um carboidrato, reservas ocasionarão acúmulo de gordura.

Em resumo, podemos dizer que se houver maior ingestão de carboidrato do que o necessário, haverá um acúmulo desse carboidrato no organismo, consequentemente a pessoa irá engordar. Por isso é importante manter uma dieta balanceada e ter a ajuda de um nutricionista, que indicará as doses corretas de ingestão do aditivo.

Posso usar para ganhar peso?

Lembrando que a maltodextrina é um carboidrato que também pode ser utilizado em uma dieta de ganho de peso, mas deve ser incluído uma atividade física na rotina, para ganhar massa muscular e não apenas tecido gorduroso.

Quais os efeitos colaterais?

Citamos abaixo alguns efeitos colaterais da Maltodextrina:

  • Intolerância aos produtos da fórmula: Alergia, problemas respiratórios, erupções de pele são alguns dos efeitos que podem surgir em caso de intolerância ao aditivo.
  • Inchaço abdominal e gases intestinais: Pode em qualquer momento acontecer problemas com flatulência e dores abdominais.
  • Aumento de peso: Como dito anteriormente, o uso excessivo de maltodextrina pode ocasionar aumento de peso.
  • Baixa no sistema imunológico: É preciso tomar cuidado com o sistema imunológico, já que o aditivo consome com boa parte das reservas de vitaminas do organismo, lembrando de que um nutricionista ajudará na complementação dessas carências.
  • Resistência do organismo ao aditivo: Em certos casos pode ocorrer do organismo desenvolver rejeição, já que não está acostumado com o produto. Em certos casos a pessoa pode ter tonturas e indigestão. Mas os sintomas desaparecerão com o passar dos dias.

Em todo o caso, sabemos que qualquer suplementação deve ser feita junto com uma dieta balanceada e com avaliação nutricional.

Quais as melhores marcas?

[caption id="attachment_1906" align="aligncenter" width="300"]Mega Maltodextrina (1000g) Probiótica Mega Maltodextrina (1000g) Probiótica[/caption]

Entre muitas marcas de maltodextrina que estão no mercado, citaremos algumas, que são consideradas melhores. Veja a lista abaixo:

  • Carboplex da Advanced Nutrition
  • Maltodextrina da Solaris Nutrition
  • Mega Maltodextrin da Probiótica
  • Maltodextrina da Ethika

Essas são apenas algumas das marcas de maltodextrina disponíveis no mercado. Existem muitas outras marcas inclusive de importados. Muitas vezes a maior diferença entre uma marca e outra está nos sabores do aditivo ou na diferença dos valores.

O preço da embalagem de 1 quilo pode variar muito, dependendo da marca. O mesmo acontece com o aditivo em gel.

Glutamina: para que serve e os benefícios desse aminoácido essencial

A glutamina é aminoácido importante para muitas funções que o seu corpo realiza. Ela ajuda na construção de músculos e tem um papel crítico para o sistema imune. O seu corpo naturalmente produz esse aminoácido e ele também pode ser encontrado em diversos tipos de alimentos.

O objetivo deste artigo é explicar porque ela é importante para o nosso corpo e quais os principais benefícios de tomar suplementos de glutamina.

O que é?

A glutamina é um aminoácido. Aminoácidos são moléculas que desempenham muitas funções no organismo. A principal função dos aminoácidos é construir proteínas. Além disso, ela é importantíssima para o sistema imune e para a saúde intestinal.

Assim como vários outros aminoácidos, ela é encontrada em duas variantes: a L e a D-glutamina. A L-glutamina é a versão desse aminoácido que é usada para a fabricação de suplementos.

A D-glutamina não desempenha funções importantes no corpo tanto quanto a L. A L-glutamina é produzida naturalmente pelo nosso organismo e é o aminoácido mais abundante no sangue e em outros fluidos corporais.

Obs.: desse ponto em diante, usaremos o apenas o termo glutamina para se referir a versão L desse aminoácido.

Porém, apesar de ser produzida pelo corpo, nosso organismo precisa de mais glutamina do que ele é capaz de produzir naturalmente. Ou seja, esse aminoácido essencial precisa ser obtido externamente via alimentação ou suplementação para garantir que o organismo funcione adequadamente.

Alimentos ricos em glutamina

Esse aminoácido a é encontrado em vários alimentos, principalmente em alimentos de origem animal. Um estudo publicado em 2009 buscou determinar a quantidade de glutamina encontrada em uma lista com diversos alimentos. A seguir, listamos a quantidade de glutamina presente em alguns alimentos:

  • Ovos – 0,6 gramas em 100 gramas de ovos
  • Tofu – 0,6 gramas em 100 gramas de tofu
  • Arroz branco – 0,3 gramas em 100 gramas de arroz branco
  • Milho – 0,4 gramas em 100 gramas de milho
  • Carne bovina – 1,2 gramas em 100 gramas de carne bovina
  • Leite desnatado – 0,3 gramas em 100 gramas de leite desnatado

Como você pode perceber, alimentos de origem animal como carne e ovos possuem mais glutamina que vegetais.

Não há muitos estudos que mostram a quantidade exata de glutamina presente em diversos outros alimentos. De modo geral, alimentos ricos em proteínas terão uma boa quantidade desse aminoácido.

[caption id="attachment_1789" align="aligncenter" width="500"]glutamina isolada da Nutrify Um pote de 150 gramas de glutamina isolada fabricado pela Nutrify.[/caption]

Benefícios

É provável que a principal razão para você querer conhecer melhor a glutamina é para saber se ela ajuda a aumentar a massa muscular e melhorar a performance física.

Infelizmente, ela não ajuda o corpo a ganhar mais massa ou mais força. Um estudo envolvendo 31 pessoas mostrou que a ela não foi melhor que um placebo em facilitar o ganho de músculos e força. Outros estudos confirmaram esse constatação (esse e esse).

Você pode procurar, mas não vai achar estudos mostrando que esse aminoácido ajuda nosso organismo a ganhar mais músculos ou força em menos tempo.

Um outro benefício muito citado da glutamina é melhorar a imunidade, mas os resultados dos estudos sobre o assunto variam. Esse estudo confirma isso, mas esse não e esse fica em cima do muro. Por isso não dá para afirmar que tomar um suplemento de glutamina vai aumentar nossa imunidade. Pode funcionar com algumas pessoas, mas não com outras.

Porém, nem tudo são más notícias. Um benefício para quem busca performance física é a diminuição da dor muscular. Um estudo mostrou que a ela diminui a dor muscular e melhora a recuperação muscular após exercícios intensos. Esse resultado é corroborado por outro estudo que mostra que a dor muscular após duas horas correndo é menor em indivídous que tomaram glutamina.

Ou seja, se você busca hipertrofia, a glutamina está longe de ser o primeiro suplemento da sua lista de compra. Ela não vai ajudar você a ganhar músculos mais rápido como outros suplementos, porém, se o que você procura é recuperação pós-treino, aí sim você deve considerá-la.

Dosagem e Efeitos Colaterais

Uma pessoa que segue uma dieta saudável geralmente consome de 3 a 6 gramas de glutamina por dia. Porém, qual seria a quantidade máxima de pode ser ingerida sem causar problemas à nossa saúde?

A resposta é 14 gramas por dia.

Ainda não se sabe os efeitos colaterais de se tomar uma quantidade maior de glutamina por um longo período de tempo, mas a curto prazo, o uso desse suplemento é considerado seguro.

Conclusão

A glutamina é um aminoácido importantíssimo para o nosso corpo que pode ser encontrando em praticamente qualquer alimento que possua proteínas, principalmente naqueles de origem animal.

Quem busca ganhar mais músculos, comprar e tomar glutamina não é a melhor opção.

Se você já segue uma dieta saudável, é provável que você já esteja ingerindo toda a glutamina que seu corpo precisa.

Se você já toma algum tipo de suplementação, aí mesmo é que você não precisa dela. Diversos suplementos de proteínas (como o Whey) já contêm esse e vários outros aminoácidos em sua composição.

Mas se mesmo assim você decidir usá-la, ela vai te ajudar a sentir menos dor e fadiga muscular, te auxiliando indiretamente a atingir seus objetivos.

 

 

Vitamina D: O que é, benefícios, efeitos colaterais e quando tomar

A vitamina D é importantíssima para a saúde humana e a falta dela pode causar sérios problemas. Neste artigo, iremos apresentar informações essenciais sobre esse nutriente importantíssimo para manter nosso corpo saudável.

Saiba o que é, para que serve esse micronutriente, qual a melhor forma de obtê-la e que alimentos são ricos em vitamina D.

O que é

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel presente naturalmente em certos alimentos e em suplementos dietéticos. Ela também é produzida pelo nosso organismo quando os raios ultravioletas da luz solar atingem a pele e desencadeiam a síntese de vitamina D.

A deficiência de vitamina D pode desenvolver várias doenças no organismo humano, tais como, osteoporose, raquitismo, desenvolvimento de doenças autoimunes, diabetes, problemas cardiovasculares, queda de cabelo, envelhecimento precoce, rugas.

A deficiência desta vitamina em mulheres grávidas pode ocasionar abortos nos primeiros três meses. Além disso, as crianças de mulheres com deficiência de vitamina D podem nascer com autismo.

Ela esta presente em todo o corpo e é essencial para o bom funcionamento do metabolismo, força muscular, sistema cardiovascular e pressão arterial. Podemos obte-la através da alimentação e da suplementação, mas a forma mais eficaz para a sua absorção é através da radiação solar.

O suplemento alimentar é bem eficiente, mas é necessária orientação médica ou nutricional. O exagero na dosagem e a automedicação podem ser prejudiciais à saúde, sobrecarregando os rins e afetando o coração e os pulmões.

[caption id="attachment_2093" align="aligncenter" width="300"]pôr-do-sol numa praia calma Tomar banho de sol alguns minutos é uma forma fácil de obter vitamina D[/caption]

Para que serve vitamina D

A vitamina D é fundamental para manter os ossos fortes. Ela ajuda o nosso corpo a absorver cálcio (que é essencial para a saúde óssea) dos alimentos e suplementos. A falta dela ou consumir menos que o corpo necessita pode deixar os nossos ossos moles, finos e quebradiços, uma condição conhecida como raquitismo em crianças e osteomalácia em adultos.

A vitamina D também é importante para o corpo de muitas outras maneiras:

  • os músculos precisam dela para se mover
  • os nervos precisam dela para transportar mensagens entre o cérebro e o resto do do corpo
  • o sistema imunológico precisa dela para combater as bactérias e vírus invasores.

Em idosos, juntamente com o cálcio, a vitamina D ajuda a proteger contra a osteoporose.

Benefícios da Vitamina D

Consumir essa vitamina em doses adequadas é importante para manter nossa saúde em dia. Entre os benefícios que ela proporciona à nossa saúde, estão:

  • Melhora a calcificação óssea: ela é responsável pela absorção do cálcio dos ossos. Geralmente as pessoas com deficiência de Vitamina D têm dificuldades de calcificar ossos, aumentando as chances de ter osteoporose ou lesões ósseas.
  • Gestação: Reduz a chance de aborto e da criança nascer com autismo.
  • Proteção cardíaca: diretamente ligada à produção de renina, que é crucial para controlar a pressão arterial.
  • Proteção de doenças autoimunes: ajuda a regular a imunidade, diminuindo as chances de desenvolver algumas doenças como, artrite e esclerose múltipla.
  • Benéfica para os músculos: ela contribui para o ganho de força muscular e aumento da massa magra.
  • Boa para a pele: trata infecções cutâneas e previne o envelhecimento precoce.
  • Boa para os cabelos: previne a queda e cabelo e ajuda no nascimento de fios novos.

Efeitos colaterais

Exagerar no consumo de vitamina D pode gerar uma série de efeitos colaterais. Entre os diversos efeitos colaterais que podem ser observados podemos citar náuseas, vômitos, falta de apetite, constipação, fraqueza e perda de peso. E como ela eleva os níveis de cálcio no sangue, muita vitamina D pode causar confusão, desorientação e problemas com o ritmo cardíaco.

Excesso de vitamina D também pode danificar os rins.

O limite máximo seguro que uma pessoa pode tomar são os seguintes:

  • Bebês: de 1.000 a 1.500 IU
  • Crianças com 1 a 8 anos: de 2.500 a 3.000 IU
  • Resto das pessoas: 4.000 IU

Geralmente o consumo exagerado de vitamina D ocorre quase sempre devido ao uso excessivo de suplementos. A exposição excessiva ao sol não causa intoxicação por vitamina D porque o corpo limita a quantidade que ele produz dessa maneira.

Hipervitaminose D

A hipervitaminose D é uma condição geralmente causada pelo consumo excessivo de suplementos de vitamina D. Entre os sintomas da hipervitaminose D, estão:

  • Fraqueza muscular;
  • Fraqueza nas juntas;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Prisão de ventre;
  • Desidratação;
  • Irritabilidade;
  • Hiperoximia (falta de apetite);
  • Hipercalcemia (excesso de cálcio no sangue).

A hipervitaminose D pode ser detectada de algumas maneiras:

  • exames de sangue para verificar os níveis de vitamina D, cálcio e fósforo
  • exames de urina para verificar se há excesso de cálcio na urina
  • radiografias ósseas para determinar se está ocorrendo alguma perda óssea significativa

Para de tomar suplementos de vitamina D e diminuir o consumo de alimentos que possam conter essa vitamina geralmente é o suficiente para curar a hipervitaminose D. Médicos também podem pedir que você diminua o consumo de cálcio. Em alguns casos, médicos podem receitar corticosteroides ou bifosfonatos para suprimir a liberação de cálcio dos ossos.

 

Alimentos ricos em Vitamina D

Alguns alimentos são benéficos para a reposição desta vitamina. Observe se esses alimentos fazem parte da sua alimentação diária, antes de iniciar, uma suplementação sintética.

  • Salmão;
  • Sardinha;
  • Carnes (frango, porco, carne bovina);
  • Ovos;
  • Leite (derivados do leite);
  • Bife e Fígado;
  • Cogumelos;
  • Óleo de fígado de bacalhau;
  • Suco de laranja.

Quando tomar?

Deve ser introduzido, em forma de suplementação, quando o nível ideal dessa vitamina estiver reduzido, sendo necessário fazer exame de sangue chamado de Vitamina D Hidroxi-25. O valor de referência para um adulto está entre 30 e 74 mg/mL. Se você fizer o exame e ele mostrar um valor abaixo da referência, provavelmente você está com deficiência de Vitamina D e terá que resolver isso através da alimentação ou suplementação.

Pessoas acima de 60 anos são indicadas a reposição com suplementos, pois nessa faixa etária a perda de vitamina D é maior. O médico ou nutricionista pode, então, prescrever o uso dos suplementos vitamínicos. Ele irá indicar qual a dosagem tomar, já levando em consideração as necessidades que aquela pessoa necessita.

Outros pontos interessantes

  • Exposição solar

Com a exposição solar garantimos a absorção de 80% a 90% da quantidade necessária por dia. É recomendado expor-se ao sol pelo menos de 15 á 20 minutos, antes das 10 horas da manhã e depois das 16 horas da tarde todos os dias. Recomendamos o uso de protetor solar fator 15 de preferência, pois, este não impede o processo de síntese da vitamina.

  • Pode combater rugas e linhas de expressão

Ela acelera a renovação da pele, pois, cerca de 90% dessa substância é produzida na própria pele, que é sintetizada através dos raios solares ultravioletas que se transforma em Vitamina D. Assim, ela consegue estimular um efeito de reconstrução da epiderme, melhorando a textura e o contorno da face.

  • Pode ajudar a evitar a queda capilar

Ela é essencial na manutenção celular do couro cabeludo, melhorando a qualidade dos folículos capilares e auxiliando na regeneração dos folículos pilosos dos cabelos, responsáveis pelo nascimento de novos fios.

Informações complementares

Além da D, existem outros tipos de vitaminas que fazer parte desta mesma família. As mais conhecidas são a D2 e D3:

  • Vitamina D2: Também chamada ergocalciferol, age diretamente nos ossos, ajudando a Vitamina D na formação de cálcio.
  • Vitamina D3: O colecalciferol estimula na produção de peptídeos potentes nos glóbulos brancos do sangue e células epiteliais que revestem o trato respiratório, protegendo assim os pulmões contra infecções.

Vale salientar que, além destas duas já citadas, há ainda outras variantes dessa vitamina, chamada D1, D4 e D5.

Quitosana: como funciona, benefícios, contraindicações e como tomar

Ela vem se tornando cada vez mais popular e é provável que você tenha chegada neste site para saber mais ela.

Pois bem, você veio ao lugar certo. Neste artigo iremos compilar todas as informações que você precisa saber sobre a quitosana.

O que é

A quitosana é um suplemento alimentar constituído por fibras dietéticas de origem animal, formada a partir da quitina. A quitina é um polissacarídeo extraído de crustáceos e outros animais marinhos, principalmente das cascas de siri, caranguejo e camarões. Junto com a gordura ele forma uma massa não digerível, que é eliminada através do trato digestivo.

Ela é um dos suplementos para emagrecer mais comercializados no Brasil e nos Estados Unidos, principalmente porque sua venda é liberada sem receita médica, o que torna sua aquisição mais fácil.

Como funciona

A quitosana inibe a ação da lípase pancreática, que quebra a gordura dietética que causa a diminuição da absorção da gordura no intestino, não sendo usada pelo organismo.

Ela é utilizada também para redução do peso e, seu efeito, é de bloqueador de gordura. Devido à densidade de cargas positivas de sua estrutura, a quitosana funciona como um imã, atraindo e se ligando aos lipídeos, que são as moléculas de gorduras. Em ambientes ácidos, como o estômago, ela se transforma em uma espécie de “esponja” de gordura. Quando essa “esponja” chega ao intestino é solidificada e é eliminada pelas fezes, sem ser armazenada pelo organismo.

A quitosana é uma fibra insolúvel em água, mas se dissolve em soluções aquosas ácidas, como o ácido do estômago, resultando em uma solução viscosa. Devido a está solução, a quitosana além de inibir a absorção de gordura pode aumentar o volume no trato gastrointestinal, assim aumentando a saciedade. Por este motivo, a tendência é consumir menos alimentos ao longo do dia.

[caption id="attachment_1340" align="aligncenter" width="700"]Potes de vários suplementos de quitosana. (Foto: divulgação) Potes de vários suplementos de quitosana. (Foto: divulgação)[/caption]
Quer uma indicação de um bom suplemento de quitosana? Basta clicar aqui.

Para que serve quitosana

A quitosana é utilizada, principalmente, para o emagrecimento e a manutenção do peso saudável. Ela está sendo relacionada ao combate do acúmulo de gordura no corpo, na manutenção do nível do colesterol e triglicerídeos. Também inibe o apetite pela formação de um gel no estômago, que ocorre quando a fibra da quitosana entra em contato com as enzimas estomacais.

Benefícios

Além de ajudar na perda de gordura corporal e no emagrecimento, a quitosana também traz outros benefícios à nossa saúde. Entre esses benefícios, podemos citar alguns tais como:

  • Melhora o trânsito intestinal e é bom para a saúde intestinal
  • Melhora a cicatrização da pele
  • Ação antimicrobiana
  • Controla os níveis de colesterol
  • Ação analgésica pós-treino, ajudando a diminuir as dores após treinos intensos

Quitosana emagrece?

A quitosana pode ser uma alternativa simples e fácil para quem deseja eliminar alguns quilos. Ela pode ajudar a emagrecer desde que você tome o suplemento corretamente e associe com uma alimentação saudável e equilibrada. Ela vai te ajudar a perder peso, mas não vai fazer milagres.

Se você quer realmente perder quilos, você tem que adotar um estilo de vida mais saudável ou então não importa quanta quitosana ou qualquer outro emagrecedor você tomar, você não vai ficar mais magro ou magra.

Sinergia com Vitamina C

Um estudo mostrou que, quando tomada junto com vitamina C, a quitosana pode ajudar a emagrecer de modo muito mais evidente. Ambas, sozinhas, tem seus benefícios, mas quando tomadas juntas, elas se tornam muito mais eficientes e ajudam a controlar o aumento de gordura corporal.

Como tomar

A indicação é consumir 2 cápsulas de quitosna por dia, 15 a 20 minutos antes das principais refeições.

Posso tomar junto com outros medicamentos?

A quitosana pode inibir a absorção de suplementos dietéticos lipossolúveis como por exemplo:

  • vitaminas lipossolúveis (vitamina A, vitamina D, vitamina E ,K),
  • carotenoides (beterraba, licopeno, luteína)
  • flavonoides (genistína, isoflavona, quercetina, ipiriflavona)
  • ácidos graxos
  • componentes lipídicos de fitoterápicos
  • fármacos lipofílicos

Portanto, não deve ser tomado, ao mesmo tempo, com esses suplementos dietéticos lipossolúveis ou fármacos lipofílicos.

A quitosana pode se ligar a alguns minerais do corpo, tais como o zinco, impedindo sua absorção. Ela também pode reduzir os níveis de colesterol, ureia e creatinina e aumentar os níveis de hemoglobina em pacientes em hemodiálise.

Contraindicações

Em alguns casos específicos é preciso cautela na hora do consumo deste suplemento. Se você se encaixa numa dos grupos a seguir, NÃO tome quitosana!

  • Pessoas com alergia a crustáceos (camarão, lagosta e frutos do mar);
  • Grávidas e lactantes;
  • Portadores de doença de Crohn e retocolite (devido à má absorção intestinal);
  • Diabéticos;
  • Hipertensos;
  • Pessoas com doenças renais.

Onde comprar

A quitosana pode ser encontrada em farmácias de manipulação ou em loja de suplementos alimentares. Online, você encontra dezenas de suplementos que tem como ingrediente principal a quitosana, como, por exemplo, o Quitoplan. o Kinax, o Womax e o Super Slim X.

[caption id="attachment_2511" align="aligncenter" width="304"]suplemento de QUITOSANA + PSYLLIUM com 60 cápsulas suplemento de QUITOSANA + PSYLLIUM com 60 cápsulas[/caption]

Preço

O preço de um suplemento de quitosana pode variar entre 40 e 70 reais, dependendo de quantas cápsulas haverá no pote ou a marca. Porém, há outros no mercado que podem custar até 140 reais por caixa! Antes de comprar, verifique se o custo-benefício pode valer a pena gastar tanto num suplemento como esse.

Informações adicionais

Existem alguns suplementos de quitosana que contém outros dois componentes na fórmula: a spirulina e psyllium.

  • Spirulina é uma alga rica em proteínas, vitaminas e minerais. Trata-se de um alimento rico e capaz de expandir-se em contato com a água do corpo, conferindo uma sensação de saciedade e moderação do apetite.
  • Psyllium é constituído principalmente por fibras e mucilagens que absorvem consideravelmente a quantidade de água, aumentando o volume fecal. Por ser indigerível pelo corpo, as fibras do psyllium chegam ao cólon praticamente intactas, aumentando o volume fecal e ativando a motilidade intestinal, devido às suas propriedades. O psyllium auxilia na redução de absorção de gorduras e regula o intestino.
Quer um suplemento de Psyllium + Quitosana? Recomendamos ESSE AQUI.

Então, já escolheu qual a melhor versão deste suplemento? Esperamos ter respondido as principais dúvidas sobre o produto.